Ucrânia aborda crise do gás com países vizinhos

Kiev, 16 jan (EFE).- O presidente da Ucrânia, Viktor Yushchenko, recebeu hoje em sua residência a representantes da Eslováquia, Moldávia e Polônia para abordar questões de segurança energética, em particular a crise do gás com a Rússia.

EFE |

Desta reunião, que começou às 12h hora locais (8h de Brasília), participam, além do presidente ucraniano, o presidente eslovaco, Ivan Gasparovic, a primeira-ministra moldávia, Zinaida Greceani, e o ministro de Relações Exteriores da Polônia, Radoslav Sikorski.

Enquanto isso, o "Canal 5" da televisão de Kiev informou que Yushchenko viajará amanhã junto à primeira-ministra Yulia Timoshenko, para Moscou, a fim de participar da conferência internacional para garantir o abastecimento de gás dos consumidores europeus.

Timoshenko e seu colega russo, Vladimir Putin, se reunirão amanhã na capital russa para tentar desbloquear a crise de fornecimento de gás à Europa.

No último dia 7, o consórcio russo Gazprom cortou totalmente as provisões de gás à Europa através da Ucrânia, após acusar o país vizinho, com o qual ainda não tem contratos para este ano, de roubar o combustível destinado aos consumidores europeus.

Apesar de na segunda-feira eles terem assinado um protocolo tripartite (Rússia, Ucrânia e a União Europeia) sobre o controle internacional do fornecimento de gás à Europa através da Ucrânia, o bombeamento não foi reatado.

Pelo sistema de gasodutos ucranianos transita 80% das exportações de gás natural russo com destino à Europa.

O conflito entre Rússia e Ucrânia explodiu no último dia 1º quando a estatal russa Gazprom cortou totalmente o fornecimento de gás a Kiev após não chegar a um acordo de tarifas para este ano com a companhia de gás ucraniana Naftogaz, também estatal.

Após o corte do gás à Europa, a Rússia declarou que a Ucrânia deverá pagar preços europeus por seu combustível, que cifrou na ordem de US$ 450 dólares por mil metros cúbicos, contra os US$ 250 que propôs no fim do ano passado.

A Ucrânia considera que o preço adequado do gás russo para o primeiro trimestre do ano ficaria entre US$ 192,6 e US$ 218, por mil metros cúbicos, segundo Bogdan Sokolovski, assessor de Segurança Energética do chefe do Estado ucraniano. EFE bk-egw/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG