Turistas deixam Cancún e hotéis fecham para economizar despesas

Cancún (México), 2 mai (EFE).- Centenas de turistas deixaram neste sábado o balneário turístico de Cancún, no México, onde redes de hotéis decretaram o fechamento de alguns de seus estabelecimentos como medida de economia, perante o alerta de saúde por causa do vírus da gripe suína.

EFE |

O diretor do grupo Oasis, Javier Marañón, disse à Agência Efe que os empresários do ramo começaram a aplicar medidas que regularmente são usadas na baixa temporada.

"O fechamento de hotéis, seja total ou parcial, é uma coisa normal na baixa temporada porque os hotéis têm que reduzir custos, custos energéticos, de recursos humanos, de tudo", disse.

Marañón insistiu em que nem em Cancún nem em Quintana Roo, estado onde fica esta localidade, foram detectados casos de contágio confirmados da gripe suína, que causou 19 mortes no México e infectou outras 454 pessoas.

Em declarações à Efe, Rodrigo de la Peña, presidente da Associação de Hotéis de Cancún, disse que a indústria turística já prepara planos de promoção para reativar a chegada de passageiros quando for retirado o alerta epidemiológico.

"Sabemos que é parte de um processo e que a recuperação vai ser lenta, mas estamos preparados para agir assim que as coisas permitirem", comentou.

A tendência até este momento, disse, é que a próxima semana haverá uma forte queda na ocupação hoteleira, podendo chegar a apenas 30% de ocupação.

Durante um percurso pela zona turística de Cancún, a Efe pôde constatar que vários hotéis fecharam suas portas esta tarde, logo após a saída dos últimos turistas.

Funcionários do Club Med, que fechou algum de seus estabelecimentos no local, disseram que desde ontem receberam a notificação de que o hotel permanecerá fechado inicialmente até 12 de maio, mas com possibilidades que esse prazo se estenda dependendo da evolução das reservas.

A Rede Riu está concentrando seus hóspedes para poder fechar alguns dos estabelecimentos.

O gerente do aeroporto internacional de Cancún, Gabriel Gurmendez, disse à Efe que foi estabelecido um protocolo de saúde que se aplica a todos os passageiros.

No caso dos que deixam a cidade, "a revisão médica ocular é obrigatória", disse.

Neste sábado, nas horas de maior tráfego aéreo, saíam de Cancún cerca de duas mil pessoas por hora.

O aeroporto de Cancún é um dos de maior tráfego com uma média de 13 milhões de passageiros, disse Gurméndez. EFE lc/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG