Turista sul-coreana morre por disparos de soldado na Coréia do Norte

A Coréia do Sul decidiu nesta sexta-feira suspender as viagens de seus cidadãos a um dos dois centros da Coréia do Norte abertos aos turistas do sul, após a morte de uma sul-coreana que entrou numa zona proibida e foi atingida por disparos de um soldado do regime comunista.

AFP |

O incidente aconteceu no monte Kumgang, centro turístico financiado por Seul e situado na costa leste da Coréia do Norte, quando a turista passeava perto de um campo de golfe e entrou numa zona militar proibida.

Seul considerou o incidente "profundamente lamentável" e suspendeu as visitas turísticas ao centro do monte Kumgang. Além disso, pediu uma investigação completa do caso.

O tiroteio é o primeiro desde que as visitas ao centro começaram em 1998. Estes dois centros foram desenvolvidos por Seul como um símbolo da reconciliação das duas Coréias.

O incidente coincidiu com a oferta que o presidente sul-coreano, Lee Myung-Bak, fez a Pyongyang para iniciar novos contatos para a aplicação de acordos concluídos por seus antecessores, na tentativa de acalmar a situação após vários meses de tensão entre ambos os países.

Lee estava ciente do ocorrido antes de lançar sua proposta no Parlamento, mas decidiu ir em frente, segundo um porta-voz da presidência.

O Norte disse ao operador sul-coreano do centro, Hyundai Asan, que a mulher, de 53 anos, estava passeando por uma praia às 05H00 (20H00 GMT de quinta-feira) e se perdeu numa área proibida.

Segundo as autoridades norte-coreanas, a mulher saiu correndo apesar de ter recebido advertência para ficar parada e acabou levando um tiro no peito e outro na bacia. O corpo foi recuperado e levado para o hospital de Sokcho, na Coréia do Sul, perto da fronteira.

A imprensa identificou a vítima como uma mulher casada chamada Park Wang-Ja.

"É profundamente lamentável que uma turista sul-coreana tenha morrido por disparos de um soldado norte-coreano", afirmou Kim Ho-Nyoun, porta-voz do ministério sul-coreano de Unificação.

O porta-voz pediu à Coréia do Norte que coopere plenamente para esclarecer a tragédia.

"Daqui até o fim da investigação, as viagens a Kumgang estão suspensas", declarou.

Kim Jung-Tae, outro responsável, disse que o governo de Seul lançará sua própria investigação o mais rapidamente possível.

O responsável acrescentou que não houve explicação oficial de Pyongyang para o caso, acrescentando que ligaria para a Coréia do Norte.

Cerca de 1,8 milhão de pessoas, a maioria sul-coreana, visitaram o monte Kumgang desde 1998. O centro foi desenvolvido pelo grupo sul-coreano Hyundai e o operador é a filial Hyundai Asan.

ckp/lm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG