Tsvangirai diz que não haverá negociações se Mugabe se declarar vencedor

Londres - Morgan Tsvangirai, líder do Movimento para a Mudança Democrática (MDC), principal partido de oposição, disse que não haverá negociações se o presidente do Zimbábue, Robert Mugabe, se declarar vencedor nas eleições de amanhã.

EFE |

Clique na imagem para ver o infográfico sobre a eleição no Zimbábue

Em declarações por telefone ao jornal "The Times" a partir da Embaixada da Holanda em Harare, onde está refugiado desde domingo passado, Tsvangirai levantou a questão sobre como esperar que a oposição negocie caso Mugabe diga que ganhou "e se considere presidente" para um novo mandato.

Mugabe afirmou nesta quarta-feira que estaria disposto a falar com a oposição depois das eleições, que, segundo o Governo, acontecerá, apesar de o partido de Tsvangirai ter se retirado da disputa nas urnas.

Tsvangirai disse ao "Times" que, se o presidente tentar uma aproximação com ele após a votação, dirá que Mugabe não o procurou antes para conversarem, então não há motivos para ele (Tsvangirai) conversar com Mugabe agora.

"Fiz uma série de ofertas. Disse que estava disposto a negociar antes das eleições, porém não depois, porque não são as eleições, mas a transição", disse o líder opositor.

EFE/Kim Ludbrook
População protesta contra Mugabe
 Mugabe "não levou em consideração, recorreu à violência contra os que me apóiam, matou e mutilou civis desarmados, o Exército continua se exibindo por sua causa. Como pode dizer que você é presidente eleito? Você é um presidente ilegítimo e vou lhe tratar como tal", disse Tsvangirai.

Antes, em declarações à imprensa após deixar por alguns momentos a embaixada holandesa, Tsvangirai havia imposto uma série de condições a Mugabe, entre elas o fim imediato da violência, a libertação dos presos políticos - incluindo Tendai Biti, secretário-geral do MDC - e a posse do novo Parlamento.

O Movimento para a Mudança Democrática ganhou a maioria das cadeiras nas eleições parlamentares de março, resultado não reconhecido, no entanto, por Mugabe, que forçou novas eleições.

Tsvangirai reconheceu, em sua entrevista ao "Times", que o mundo podia fazer muito pouco para impedir a realização nesta sexta-feira das novas eleições.

"Poderão realizá-las pela força, mas será a corrida de um só homem. Não terá nada a ver com a vontade do povo", disse o líder opositor.

Tsvangirai, que se refugiou na embaixada holandesa depois de ser procurado em sua casa por tropas do Governo, disse não saber, por enquanto, quando sairá definitivamente da sede diplomática.

Leia mais sobre: Zimbábue

    Leia tudo sobre: zimbábue

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG