Tsunami por terremoto no Chile chega à Nova Zelândia e sul do Pacífico

SYDNEY - O maremoto causado pelo tremor de mais de oito graus na escala Richter que sacudiu ontem o Chile pôs no alerta todo o Pacífico Sul e seus efeitos foram notados na Nova Zelândia, Tonga e Samoa.

EFE |

  • Ondas de quatro metros de altura castigaram parte das Ilhas Marquesas, na Polinésia Francesa, informou a rádio "ABC", sem que tenham acontecido vítimas, segundo as primeiras informações.

    Em questão de três horas, as ondas aumentaram de 20 centímetros para 1,5 metro, nas Ilhas Chatham, perto da cidade de Christchurch, na ilha do Sul, e se prevê que continuem crescendo durante outras nove horas.

    Os efeitos do tsunami, uma alta do nível do mar acima do normal, seguido por um descenso abaixo desse nível também se prevê que se sinta na Austrália.

    As autoridades australianas fecharam o acesso a todas as praias do estado de Nova Gales do Sul, no leste do país, onde milhares de cidadãos esperavam aproveitar um dos últimos domingos do verão.

    Os escritórios de Meteorologia de Queensland, Victoria e Tasmânia, todos na costa leste da Austrália também emitiram alertas, mas indicaram esperar que o efeito do tsunami chegue muito franco e sem capacidade de causar danos.

    Alertaram que haverá ondas perigosas, fortes correntes oceânicas e inundações nas áreas baixas, recomendando aos navios que fiquem perto do litoral que voltem ao porto e os que estejam longe que esperem em alto-mar.

    A Administração Nacional de Atmosfera e Oceanos dos EUA (NOAA) emitiu um alerta de tsunami para uma ampla área do Pacífico, incluindo México, Peru, Equador, Nova Zelândia, Austrália, Rússia, Indonésia, Japão, Filipinas, além do Chile. EFE mg/ma

      Leia tudo sobre: chilenova zelândiasamoaterremoto no chiletsunami

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG