Tropas russas deixam o porto de Poti, mas ainda controlam cidades na Geórgia

Tbilisi - As tropas russas deixaram o porto georgiano de Poti (Mar Negro), mas ainda mantêm o controle sobre outras três cidades deste país (Gori, Senaki e Zugdidi), informou neste domingo o Ministério de Exteriores da Geórgia.

EFE |

  • Veja galeria de fotos do conflito na Geórgia
  • Entenda o conflito na Ossétia do Sul
  • Cronologia: relações entre a Geórgia e a Ossétia do Sul 
  • Análise: as lições do conflito na Ossétia do Sul
  • Rússia x Geórgia: países têm poder econômico desigual
  • Os blindados russos saíram à noite de Poti, não sem antes destruir a base naval da Armada georgiana e vários navios militares atracados no porto.

    Quanto a Gori, que se encontra a poucos quilômetros da fronteira com a separatista Ossétia do Sul, os tanques russos continuam bloqueando a passagem da Polícia georgiana.

    Os soldados russos também continuam posicionados na base militar georgiana de Senaki e também não parecem dispostos a se retirar de Zugdidi, que se encontra a poucos quilômetros da também separatista Abkházia.

    Por outro lado, a Chancelaria georgiana denunciou que forças militares abkhazes superaram a fronteira e ocuparam duas pequenas aldeias da região.

    Enquanto isso, as tropas georgianas estão concentradas nos arredores de Tbilisi e continuam sem opor resistência.

    O presidente russo, Dmitri Medvedev, assinou no sábado o plano europeu de regra do conflito, que contempla tanto o cessar-fogo como a retirada das tropas da área.

    No entanto, o ministro de Exteriores, Serguei Lavrov, destacou que as tropas russas abandonarão o território controlado por Tbilisi "à medida que vão completando" essas medidas, no que investirão o tempo que "for necessário".

    O Exército russo insiste em que ainda não concluiu a operação de neutralização dos arsenais e de equipamentos militares abandonados pelas tropas georgianas.

    A Geórgia reivindica a saída imediata das tropas "ocupantes" russas, às quais acusa de "saquear" e "destruir" as principais infra-estruturas civis do país.

    Leia também:

    Opinião:

    Leia mais sobre Geórgia

      Leia tudo sobre: georgiageórgia

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG