Tropas israelenses se instalam em Gaza

Por Nidal al-Mughrabi GAZA (Reuters) - As tropas e os tanques israelenses cercaram a principal cidade da Faixa de Gaza no domingo em uma ofensiva contra o Hamas que matou mais de 500 palestinos, muitos deles civis.

Reuters |

Os tanques israelenses dispararam contra posições de militantes suspeitos e aviões de guerra, enquanto os militantes do Hamas responderam com morteiros e foguetes.

As autoridades de política estrangeira da União Européia organizaram uma missão para tentar um cessar-fogo na Faixa de Gaza, mas admitiram ser uma tarefa difícil persuadir as duas partes de realizar uma trégua.

Ao menos 42 palestinos, a maioria civis, foram mortos no domingo quando as tropas israelenses dispararam contra casas e contra o principal distrito comercial, segundo fontes médicas.

"Nós não temos a intenção de ocupar Gaza nem destruir o Hamas, mas de destruir o terrorismo. E o Hamas precisa de uma lição real e séria. Agora eles estão tendo isso", disse o presidente israelense, Shimon Peres, em uma entrevista ao programa da rede ABC "This Week".

A invasão na noite de sábado da Faixa de Gaza controlada pelo Hamas ocorreu após uma semana de bombardeios israelenses por terra, ar e mar, no mais sério combate entre israelenses e palestinos em décadas.

O número de palestinos mortos subiu para 512, segundo autoridades da área médica de Gaza. Uma agência da ONU disse que ao menos um quarto dos mortos é de civis. Um grupo de direitos humanos palestino alegam que a proporção de civis é de 40 por cento.

Um soldado israelense foi morto e 32 ficaram feridos na ofensiva por terra, segundo Israel. Quatro israelenses foram mortos nos ataques com foguetes do Hamas desde 27 de dezembro.

As autoridades israelenses disseram que a ofensiva pode durar ainda muitos dias.

Pedidos para um cessar-fogo feitos pelos Estados Unidos, o principal aliado de Israel, por outros governos e pela ONU falharam em promover avanços nos acordos sobre qual das partes deve interromper os ataques primeiro.

Autoridades do governo israelense disseram que o país espera ganhar o apoio internacional para um novo acordo de segurança na fronteira entre Egito e Gaza, para impedir o Hamas de conseguir novas armas.

"O governo fez tudo antes de decidir lançar a operação. Essa é uma operação inevitável", disse o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG