Bagdá, 17 mar (EFE).- O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, afirmou hoje que a retirada das tropas americanas existentes no Iraque não será completada sem que haja garantia de segurança nas áreas onde elas não estarão mais presentes.

Segundo Maliki, não haverá "nenhuma retirada de qualquer área" até que as tropas iraquianas consigam manter a segurança completamente e estejam "prontas para assumir suas responsabilidades".

Em declarações anteriores, o chefe de Governo afirmou que o Exército iraquiano e as forças de segurança estavam prontas para cobrir o vazio deixado pelas tropas americanas no caso de uma retirada inesperada.

O acordo de segurança assinado por EUA e Iraque no dia 14 de dezembro de 2008 e que entrou em vigor em janeiro passado estipula que a retirada definitiva das forças americanas do país árabe deve ocorrer antes de 2012.

O documento também estabelece que os soldados americanos deixarão as cidades antes do final do primeiro semestre deste ano.

Maliki falou sobre o assunto em entrevista coletiva concedida junto com o secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa, que chegou ontem a Bagdá para conversar sobre a próxima cúpula árabe, que será realizada no Catar, em 30 de março.

Moussa disse que a Liga Árabe considera o Iraque como parte do Oriente Médio e vê o país como um ente integral, "apesar de suas diferenças religiosas ou étnicas".

Na mesma entrevista coletiva, Maliki descreveu suas conversas com Moussa como positivas e disse que o Iraque "está disposto a assumir seu papel no mundo árabe".

Esta é a segunda vez que Moussa visita Bagdá desde a queda de Saddam Hussein, em 2003. A Liga Árabe abriu seu primeiro escritório em Bagdá no ano de 2006. EFE am/bba/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.