Tropas de Tailândia e Camboja continuam se enfrentando

O porta-voz do Exército tailandês disse que é terceiro dia consecutivo de confrontos

EFE |

Os confrontos entre as tropas de Tailândia e Camboja, que já causaram 11 mortos, continuam neste domingo na fronteira apesar da chamada ao cessar-fogo realizado pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon.

O porta-voz do Exército tailandês, coronel Sansern Kaewkamnerd, disse que pelo terceiro dia consecutivo os soldados dos dois países trocaram disparos de fuzil e fogo de artilharia na mesma região que em dias anteriores.

Estes confrontos são travados nos arredores do templo de Ta Kwai (Olho de búfalo) construído durante a era de esplendor do Império Khmer, no século XII, e situado na faixa de fronteira que delimita a província tailandesa de Surin, ao nordeste do país, com a região norte do Camboja.

O templo de Ta Kwai faz parte do antigo complexo arquitetônico de Ta Muen, outro dos legados da milenar civilização khmer cuja soberania é disputada por Tailândia e Camboja.

Na sexta-feira passada, pelo menos cinco soldados tailandeses e seis cambojanos morreram, enquanto 30 militares dos dois países ficaram feridos. Em março, os Governos de Camboja e Tailândia aceitaram negociar com a mediação da Indonésia o litígio territorial que travam por causa da soberania de uma pequena região situada ao lado do templo de Preah Vihear, também na fronteira comum.

No entanto, depois a Tailândia mudou de opinião e se negou a negociar uma solução com o Camboja, alegando que a presença de observadores indonésios na área em disputa podia complicar a situação.

Este contencioso entre Camboja e Tailândia ganhou força em 2008 quando o templo foi declarado patrimônio da humanidade e a Unesco o inscreveu dentro do território cambojano.

A Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean), cuja Presidência temporária é da Indonésia, tratou o conflito em reunião no final de fevereiro e surgiu a iniciativa da mediação.

O bloco regional integra Mianmar (antiga Birmânia), Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

A Tailândia admite que o conjunto de monumentos se encontra em solo cambojano, tal como sentenciou o Tribunal Internacional de Haia em 1962, mas reivindica uma área de 4,6 quilômetros quadrados situada nos arredores do templo. Os dois países assinaram em 2000 um memorando de entendimento.

    Leia tudo sobre: TAILÂNDIACAMBOJA

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG