Tropas brasileiras buscam sobreviventes em prédio da ONU no Haiti

Soldados brasileiros que participam da missão de paz da ONU no Haiti (Minustah - sigla em inglês para a Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti) estão buscando sobreviventes nos escombros do prédio da missão, destruído em um terremoto de 7 graus na escala Richter que afetou o país na terça-feira. Segundo o subsecretário geral da ONU para Operações de Paz Alain Le Roy, o prédio ficou seriamente danificado e há funcionários desaparecidos.

BBC Brasil |

Não se sabe quantos dos cerca de 250 funcionários que trabalham no edifício estavam no local na hora do terremoto, às 16h53 (hora local, 19h53 em Brasília).

O Brasil chefia a missão de paz da ONU no país, que conta com cerca de 7.000 integrantes. Segundo o Ministério da Defesa, 1.266 militares brasileiros servem na força.

"Sabemos que há vítimas, mas no momento não podemos dar nenhum número", disse Le Roy, que confirmou que o prédio, conhecido como Hotel Christophe, "desabou".

A missão de paz foi criada em 2004, depois que o então presidente Jean-Bertrand Aristide foi deposto durante uma rebelião.

Até a madrugada de terça-feira, ninguém havia sido retirado dos escombros e muitos funcionários permaneciam desaparecidos.

O epicentro do terremoto foi a 10 km de profundidade e a cerca de 15 km da capital Porto Príncipe, segundo informações da U.S. Geological Survey, a agência geológica americana. Mais de um milhão de pessoas vivem na cidade.

Este teria sido o tremor mais forte na região desde 1770.

Além do prédio da ONU, o prédio da Embaixada Brasileira em Porto Príncipe também ficou danificado, mas segundo o governo, não há vítimas entre os funcionários brasileiros.

O palácio presidencial, a Catedral de Porto Príncipe, a sede do Parlamento e milhares de construções também foram danificadas pelo tremor. Ainda não há número de mortos, mas teme-se que chegue a milhares.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva expressou preocupação com a situação do povo haitiano e dos brasileiros que vivem no país. O presidente pediu que sejam avaliadas as necessidades para que o Brasil possa apoiar o esforço de ajuda humanitária ao Haiti.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, pediu aos militares brasileiros presentes no Haiti que façam todo o possível para diminuir o sofrimento da população haitiana. No passado, militares brasileiros no país ajudaram no socorro às vítimas dos furacões que atingiram o Haiti em 2004 e 2008.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG