Tropas americanas enfrentam talebans em combates violentos no Afeganistão

CABUL - O Exército dos Estados Unidos trava combates violentos nesta sexta-feira contra os talebans na província afegã de Helmand, sul do Afeganistão, onde na quinta-feira foi iniciada uma grande ofensiva contra a insurgência islamita.

Redação com agências internacionais |

O batalhão de infantaria 2/8 dos marines enfrentou uma dura resistência taleban, declarou o general-de-brigada Larry Nicholson, comandante da operação. "O 2/8 tem combates infernais na zona sul da região", completou.

No entanto, outros batalhões avançaram sem grandes dificuldades para o sul e já conseguiram entrar em contato com a população e os líderes locais, segundo Nicholson.

Os helicópteros transportaram na quinta-feira os marines para os distritos de Garmsir e Nawa, na província de Helmand, e ajudaram as forças afegãs a tomar Janishin, perto da fronteira com o Paquistão. "Hoje os marines seguem avançando rumo aos objetivos e vão trabalhar para estabilizar a segurança nestas zonas", afirmou o porta-voz da operação, o tenente Kurt Stahl.

Na quinta-feira, as tropas tomaram o controle do distrito de Khanistan, onde os talebans instauraram um governo próprio, na maior operação dos marines desde a de Fallujah, Iraque, em novembro de 2004.

Mas o Exército americano também sofreu a primeira baixa na operação, com a morte de um marine, informou a Brigada Expedicionária Marine (MEB). Além disso, na quinta-feira, o comando taleban Haqqani reivindicou o sequestro de um soldado americano no dia 30 de junho, antes do início da ofensiva. Até o momento não foi anunciada nenhuma vítima civil ou danos materiais. As tropas americanas informaram que evitam utilizar armamento pesado.

Operação "Janjar"

Quase 4.000 marines encabeçam o novo plano do presidente Barack Obama para combater a insurgência afegã, com o objetivo de proteger a população para as eleições presidenciais de 20 de agosto. "Quando os marines saem às cidades, sempre buscam oportunidades para falar com a população e explicar por quê estão ali", disse Stahl.

A operação "Janjar" ("Punhalada" em dari e pashtun, mas que os marines traduziram como "Golpe de Espada") também conta com a participação de 600 policiais e soldados afegãos. "O que diferencia a operação 'Janjar' das anteriores é o tamanho das forças e sua velocidade", afirmou Nicholson.

O general afegão Shair Mohamad Zazi destacou que a a operação estabelecerá segurança para as eleições. As autoridades do país temiam que a violência e as intimidações dos talebans afetassem a votação na segunda eleição presidencial do país.

Soldado possivelmente sequestrado

Um comandante taleban reinvindicou na quinta-feira a captura de um soldado americano no Afeganistão, desaparecido há três dias. "Um de nossos comandantes, Maulaui Sangin, capturou um soldado da coalizão ao lado de três guardas afegãos em Yusuf Jail, distrito da província de Paktika", afirmou o comandante taleban, que se apresentou apenas como Bahram.

O Exército dos Estados Unidos anunciara mais cedo acreditar que um de seus soldados, desaparecido há três dias, havia sido capturado por combatentes islamitas no Afeganistão.


Marine mira rifle durante viagem rumo a reduto do taleban no Afeganistão / Reuters

"Acreditamos que um soldado, que está desaparecido desde 30 de junho, foi capturado por milicianos", afirmou a porta-voz do Exército americano, Elizabeth Mathias.

"Não estamos divulgando nenhum detalhe para proteger a situação do soldado", disse a porta-voz. Ao que parece, este é o primeiro caso de soldado sequestrado no Afeganistão desde que as tropas americanas entraram no país para expulsar os talibãs do poder em 2001.

* Com AFP e Reuters

Leia mais sobre Guerra no Afeganistão

    Leia tudo sobre: afeganistãoeuamarines

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG