Tripulação retoma navio capturado por piratas na Somália, dizem proprietários

O navio dinamarquês capturado na quarta-feira por piratas na costa da Somália já teria voltado ao comando de sua tripulação americana, de acordo com os donos da embarcação. Estamos trabalhando junto aos militares americanos e outras agências governamentais para continuar a responder aos acontecimentos à medidas em que eles se desenvolvem, disse a Maersk em um comunicado.

BBC Brasil |

Os proprietários do Maersk Alabama disseram que os sequestradores já não estão a bordo, mas capturaram um tripulante
Um alto integrante da tripulação afirmou que o capturado seria o comandante do barco. Ele estaria sendo mantido em um barco pequeno enquanto a tripulação negocia sua libertação, em troca de alimentos.

Ataques
O Alabama é o sexto navio capturado esta semana, apesar da presença de pelo menos doze navios internacionais que patrulham as águas da região.

Há relatos de que esta foi a primeira vez em 200 anos que um navio com a bandeira americana foi capturado.

O navio foi atacado por uma série de pequenos barcos na madrugada de quarta-feira, em um incidente que teria durado cerca de cinco horas.

A tripulação teria tentado uma série de manobras para tentar evitar o embarque de piratas, até capitular.

Foram registrados mais de 130 ataques de piratas em 2208, cerca de 50 deles bem-sucedidos.

Os piratas costumam manter os navios e as tripulações até as empresas pagarem altos resgates. Calcula-se que, apenas no ano passado, foram pagos mais de US$ 80 milhões em resgates.

O aumento da frequencia dos ataques levou a um maior patrulhamento das águas sem lei do Golfo de Áden. Somália e Iêmen, países que margeiam o golfo, não tem condições de impedir a atuação dos criminosos.

O Golfo de Áden é uma das rotas marítimas mais usadas no mundo para o escoamento de mercadorias entre Europa e Ásia pelo Mar Vermelho.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG