Explosões aconteceram durante celebração na noite desta quinta-feira

Pelo menos 35 pessoas morreram nesta quinta-feira em um triplo atentado suicida em um popular santuário sufi da cidade de Lahore, no leste do Paquistão, informou o chefe administrativo local, Khusro Pervaiz, ao canal privado "Express TV".

Equipes de resgate retiram corpos de dentro de mesquita atacada
AFP
Equipes de resgate retiram corpos de dentro de mesquita atacada

O ataque aconteceu por volta das 23h locais (15h, no horário de Brasília) de hoje, dia especial no calendário sufi no qual centenas de fiéis costumam se reunir na mesquita de Data Darbar. Vários devotos visitavam o santuário do santo sufi persa Syed Ali Hajwairi, no centro da cidade, quando os ataques ocorreram.

A polícia isolou a região depois das explosões, e os cerca de 75 feridos, muitos deles em estado crítico, foram levados a hospitais próximos.

Segundo a versão oficial, um dos suicidas detonou uma bomba que carregava junto a seu corpo na entrada da mesquita, enquanto os outros dois fizeram o mesmo dentro do templo, que fica perto do centro histórico da cidade.

O templo guarda os restos de um santo sufista, Abul Hassan Ali Hajvery, e é visitado por centenas de milhares de pessoas por ano, tanto muçulmanos sunitas como xiitas.

O sufismo é a corrente mística do Islã. Diferentemente de outros muçulmanos, seus seguidores procuram uma ligação direta com Alá por meio de cânticos ou danças, por exemplo.

Santuário famoso

O santuário na Data Darbar é um dos mais famosos no Paquistão e atrai centenas de devotos todas as noites. As noites de quinta-feira são as mais populares. O complexo inclui uma mesquita e uma delegacia no porão.

O complexo religioso conta com cinco entradas, todas elas dotadas de complexos dispositivos de segurança e scanners de explosivos. No entanto, no momento do ataque, somente uma delas estava aberta.

Lahore, a capital cultural do Paquistão, sofre com frequentes ataques. Mais de 80 pessoas morreram em dois ataques nas mesquitas da minoria ahmadi em maio.

* Com Reuters e AFP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.