Trinta por cento dos americanos dizem que existe preconceito racial no país

Washington, 22 jun (EFE).- Para Barack Obama, o primeiro negro com possibilidades de ser presidente dos EUA, a cor da pele é um empecilho, segundo uma pesquisa divulgada hoje e que indica que 30% dos americanos sofrem com preconceito racial.

EFE |

Quase metade dos entrevistados disse que as relações raciais no país são ruins, indica uma pesquisa publicada hoje pelo jornal "The Washington Post" e pela rede de televisão "ABC".

Esta porcentagem chega a quase 60% entre os negros, enquanto os brancos têm uma visão mais positiva.

Na sondagem, 30% dos brancos disseram acreditar na existência de preconceito racial, enquanto 34% dos negros crêem na mesma coisa.

Apesar de tais resultados, quase nove em cada dez brancos disseram que não se importariam em ter um negro como presidente, segundo outra pesquisa realizada pelos veículos de comunicação e divulgada no mês passado.

As possíveis dificuldades de Obama pelos sentimentos de racismo ainda presentes no país são compensadas pela inquietação dos eleitores a respeito da idade de seu rival, John McCain, diz a publicação de Washington.

Apenas um terço do eleitorado diz estar tranqüilo com a idéia de ter um presidente que completaria 72 anos no início de seu primeiro mandato - o que é o caso de McCain.

Nas pesquisas gerais, Obama leva vantagem de aproximadamente seis pontos percentuais sobre McCain, embora uma pesquisa do semanário "Newsweek" tenha apontado uma diferença muito maior, ao concedê-lo 15 pontos a mais em intenções de voto.

As pesquisas, que tem uma margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos, foram realizadas entre os dias 12 e 15 de junho e tiveram a participação de 1.125 adultos. EFE cma/fh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG