Trinidad eTobago, ante o desafio de ser a capital das Américas por dois dias

Trinidad e Tobago se converterá nesta sexta-feira no primeiro país do Caribe a receber uma cúpula continental - um desafio que exigiu enormes e caras medidas logísticas.

AFP |

No total, 34 nações do continente americano, todas menos Cuba, estarão representadas na V Cúpula das Américas, de 17 a 19 de abril.

Para Trinidad e Tobago, um país composto por duas ilhas nas quais vivem 1,3 milhão de pessoas, este encontro será o momento de destacar a importância das nações do Caribe e de reforçar sua influência nos fóruns internacionais, como a Organização de Estados Americanos (OEA).

A capital, Port of Spain, ultima os preparativos para receber mais de 5.000 pessoas, entre delegações oficiais e jornalistas.

Flores nas esquinas, últimos retoques de asfalto e pintura das fachadas, verificação dos sistemas de comunicação ou testes nos percursos realizados pela polícia são facilmente observáveis em suas ruas.

Entre as principais preocupações do governo local está a segurança. O país já recebeu soldados e agentes de outras nações do Caribe como Jamaica, Belize, Barbados ou Suriname que se somam a forças de segurança de países participantes como Estados Unidos e Brasil, que ajudam na proteção do espaço marítimo e aéreo.

O hotel Hyatt, uma imensa torre à beira-mar, onde se realizará o encontro, tornou-se uma verdadeira fortaleza.

A oferta hoteleira da ilha não é suficiente e o governo recorre a dois navios gigantescos atracados no porto e bem vigiados, que estarão em serviço até domingo.

Todo indica, pela situação de Trinidad, o controle do governo e a grande popularidade do novo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que as manifestações contra a cúpula das Américas, se houver, serão insigificantes se comparadas às registradas há quatro anos em Mar del Plata (Argentina).

A República de Trinidad e Tobago, que se tornou independente em 1962 é membro da Commonwealth, possui uma das mais altas taxas de crescimento da América Latina, sendo uma das economias mais prósperas do Caribe, graças à sua importante produção de petróleo e gás.

Cristóvão Colombo chegou às costas de Trinidad e Tobago em 1498. Em 1797, o país foi conquistado pelos ingleses.

Seus habitantes descendem de antigos escravos africanos somados a uma importante imigração indiana; a língua falada é o inglês mesclado a palavras "criollas".

bl/cd/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG