Tribunal tenta evitar leilão de objetos de Gandhi

Nova Délhi, 3 mar (EFE).- A Justiça indiana emitiu hoje uma ordem para tentar paralisar o leilão de um lote de objetos pessoais que pertenceram ao pai da nação, Mohandas Karamchand Gandhi, previsto para a próxima quinta-feira em Nova York.

EFE |

O Tribunal Superior de Nova Délhi enviou um requerimento judicial à casa de leilões que promoverá o evento. O documento deve ser respondido antes de 6 de maio, segundo as agências indianas "PTI" e "Ians".

O juiz tomou esta decisão após a Navajivan Trust, editora fundada por Gandhi, apresentar um pedido para tentar evitar o leilão, alegando que os objetos teriam saído do país de forma ilegal.

"Qualquer objeto que tenha pertencido a Gandhi tem um grande valor patrimonial e é, legitimamente, da Índia", disse um advogado indiano que trabalha no caso.

O lote de objetos inclui um par de óculos, sandálias de pele, um prato, uma tigela e um relógio de bolso pertencentes a Gandhi.

A editora lembrou que em 1996 um tribunal da cidade de Chennai emitiu uma ordem similar para paralisar um leilão de manuscritos de Gandhi em Londres.

As peças do Mahatma selecionadas para a venda em Nova York foram agrupadas por uma colecionadora privada americana, que as obteve de descendentes da família de Gandhi.

A colecionadora já garantiu que está disposta a cancelar o leilão e doar os objetos à Índia. No entanto, lamentou que nenhum membro do Governo indiano tenha entrado em contato para tentar um acordo. EFE mb/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG