Tribunal rejeita reabertura de investigação sobre morte de jornalista russa

Moscou, 7 ago (EFE).- O Tribunal Militar de Moscou rejeitou hoje o pedido dos filhos da jornalista russa assassinada Anna Politkovskaya de reabrir a investigação sobre o caso e ordenou a seleção do júri para a realização de um segundo julgamento.

EFE |

O juiz explicou que, "embora existam provas sobre a participação de outras pessoas no crime - além das acusadas no primeiro julgamento -, nas conclusões da Promotoria, não haverá nova investigação", segundo a agência "Interfax".

Além disso, assegurou que "não há argumentos" que justifiquem a necessidade de unir em um só caso as acusações contra todas as pessoas que participaram do assassinato de Anna, ou seja, o assassino, os cúmplices e os organizadores.

O juiz deixou aberta somente a possibilidade de que o assunto retorne à Promotoria para uma nova investigação, caso o processo seja obstruído por questões processuais ou outros motivos.

No entanto, anunciou que ordenou o início do processo de seleção dos 12 membros do júri, entre 60 candidatos.

A advogada da família da jornalista assassinada, Karina Moskalenko, assegurou na saída do tribunal que os parentes de Anna tinham decidido recorrer.

Os filhos de Anna, Ilya e Vera, tinham pedido, na quarta-feira, na primeira audiência preliminar após a reabertura do caso, que ele retornasse às mãos da Promotoria, com o objetivo de encontrar tanto o autor do assassinato, quando os mandantes do crime. EFE io/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG