Pristina, 28 nov (EFE) - Os três agentes do serviço de espionagem alemão detidos no Kosovo sob a acusação de envolvimento em um ataque foram libertados por falta de provas e repatriados ao país, informaram seus advogados.

Os alemães foram detidos no dia 19 por suspeita de terem jogado uma bomba contra o Escritório Civil Internacional no Kosovo, sede do representante da União Européia (UE) nesse território, Pieter Feith.

O explosivo destruiu muitas janelas, mas não deixou feridos.

A decisão de libertar os três alemães foi adotada por um tribunal internacional presidido por Vinod Boolell, que tomou as rédeas do caso hoje, depois que a corte de Pristina cedeu a jurisprudência.

Os responsáveis da embaixada alemã no Kosovo estiveram presentes no momento da libertação dos três agentes, às 16h30 (de Brasília), que posteriormente foram levados em um avião especial à Alemanha.

O primeiro-ministro do Kosovo - território que autoproclamou sua independência da Sérvia em passado -, Hashem Thaçi, assegurou hoje que o incidente não afetará as relações com a Alemanha, um dos Estados que mais rapidamente reconheceu a soberania kosovar.

"Nenhum incidente pode influir em nossa excelente relação com o Governo federal alemão", disse.

No sábado, um juiz kosovar estabeleceu um mês de prisão para os três detidos e um promotor ordenou que fossem investigados sob a suspeita de "terrorismo", um crime punido com até 20 anos de reclusão.

No entanto, os magistrados internacionais acreditam que não existem provas suficientes para incriminá-los, e, por isso, eles foram libertados.

Os veículos de comunicação kosovares afirmaram que as autoridades de Pristina estiveram sob grande pressão internacional para libertar os detidos.

Na quinta-feira, um grupo albanês sobre o qual não se havia ouvido falar anteriormente, o Exército da República do Kosovo, reivindicou o atentado em um e-mail enviado à Polícia e a outras organizações.

Até agora, 52 países reconheceram a independência do Kosovo, entre eles a maioria dos europeus e os Estados Unidos. EFE am/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.