Tribunal julga recurso da Suécia contra Assange nesta quinta

Na audiência, advogado do fundador do WikiLeaks deve apresentar em dinheiro maior parte da fiança de 240 mil libras (R$ 640 mil)

iG São Paulo |

Um tribunal de Londres, na Inglaterra, decidirá nesta quinta-feira se aceita ou não um recurso da Suécia que tenta impedir a concessão de liberdade sob fiança ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange.

Na terça-feira, um juiz estipulou que Assange deve pagar 240 mil libras (cerca de R$ 640 mil) para aguardar em liberdade o processo que pode levar à sua extradição para a Suécia, onde é acusado de crimes sexuais.

O advogado de Julian Assange, Mark Stephens, disse que seus apoiadores já arrecadaram metade do valor. Na audiência desta quinta-feira, Stephens deve apresentar 200 mil libras em dinheiro. As outras 40 mil libras devem ser pagas em duas parcelas de 20 mil cada.

Caso a apelação da Suécia não seja aceita, o australiano de 39 anos deve aguardar em liberdade até a próxima audiência do caso, marcada para 11 de janeiro.

Como condição para a libertação, seu passaporte será confiscado e ele será monitorado eletronicamente, devendo permanecer em sua residência todos os dias entre 22h e 02h e entre 10h e 16h. Assange, que tem irritado os EUA e outros países por causa da divulgação de milhares de comunicações diplomáticas secretas, nega a acusação de crimes sexuais, que diz ter motivação política.

Grã-Bretanha

Nesta quinta-feira, o jornal britânico "The Guardian" afirmou que o recurso contra a Assange foi um pedido das autoridades britânicas, e nao dos procuradores suecos.

O  jornal cita como fonte um porta-voz da promotoria da Suécia, Karin Rosander, que afirma: "A Procuradoria da Coroa (britânica) me informou que a decisão de recorrer à liberdade condicional corresponde totalmente a ela, já que os fiscais suecos não podem tomar nenhuma decisão sobre essa matéria no Reino Unido", declarou.

O jornal afirma, ainda, ter tido acesso ao recurso da procuradoria britânica. Segundo o documento, as autoridades acreditam que o processo de extradição pode levar meses e que, neste período, Assange deve ficar preso.

Com EFE e Reuters

    Leia tudo sobre: wikileakseuadocumentos diplomáticosjulian assange

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG