Tribunal declara culpado terrorista mais jovem detido no R.Unido

Londres, 18 ago (EFE) - Um Tribunal de Londres declarou hoje três homens culpados de vários crimes de terrorismo, entre eles um adolescente considerado pela Promotoria o terrorista mais jovem detido e processado no Reino Unido. Hammaad Munshi, de 18 anos e oriundo de Dewsbury (norte da Inglaterra), tinha 16 anos quando foi detido pela Polícia antiterrorista britânica, que o considerava integrante de uma célula dedicada à radicalização de pessoas vulneráveis e a alistá-la com fins terroristas. Segundo a Promotoria, o rapaz é a pessoa mais jovem acusada de um delito de terrorismo neste país. Em uma audiência realizada hoje no Tribunal de Blackfriars (centro de Londres), Munshi, Aabid Hussein Khan e Sultan Muhammad, ambos de 23 anos, foram declarados culpados de possuir uma grande quantidade de material terrorista, como documentos da rede Al Qaeda e informação sobre venenos e armas de fogo. Estas não são ações de pessoas curiosas nem de simpatizantes com objetivos terroristas. São ações de gente que constituem uma ameaça muito real para nossa comunidade, disse John Parkinson, superintendente da brigada antiterrorista de Leeds (norte inglês).

EFE |

"Embora estes homens não estivessem implicados no planejamento ativo de atos de terrorismo, buscavam incitar outros para fins terroristas, promovendo a ideologia da Al Qaeda e programas de treinamento (terrorista)", afirmou.

Khan e Muhammad serão sentenciados esta terça-feira e Munshi terá que esperar até setembro para conhecer a pena, enquanto um quarto suspeito, Ahmed Sulieman, de 30 anos e residente em Londres, foi absolvido.

Segundo foi tornado público no tribunal, o jovem terrorista, que aos 12 anos começou a se interessar pelo mundo do radicalismo islâmico, fazia parte de uma "conspiração mundial" para "exterminar" os não muçulmanos.

Especialista em informática, Munshi tinha seu próprio blog e se identificava como "Fidadee", um termo árabe que significa "pessoa preparada para se sacrificar por uma causa particular".

O acusado também usava a rede para divulgar informação técnica sobre "como matar" e como fabricar napalm, explosivos, detonadores e granadas.

O jovem terrorista enviava essa informação a Khan, líder da célula e oriundo de Bradford (norte da Inglaterra), e Muhammad, residente em Manningham (mesma zona) e primo de Khan.

Khan foi detido em 6 de junho de 2006 no aeroporto de Manchester (norte da Inglaterra) quando voltava do Paquistão.

Com ele foram apreendidos arquivos que comprovavam seu "profundo compromisso e implicação com a jihad (guerra santa) violenta", segundo Simon Denison, representante da Promotoria.

Aabid Hussain Khan e seu primo possuíam vídeos de propaganda da Al Qaeda e uma guia de instruções para fabricar um cinto com o qual cometer atentados suicidas, entre outros artigos terroristas.

A ministra do Interior britânica, Jacqui Smith, elogiou o processamento dos três indivíduos, porque, em sua opinião, eram uma "verdadeira ameaça". EFE pa/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG