Tribunal de Mianmar retoma julgamento de Nobel da Paz

Bangcoc, 10 jul (EFE).- Um tribunal especial retomou hoje o julgamento da líder opositora birmanesa, a Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, uma semana depois de a Junta Militar negar ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, permissão para visitá-la na prisão.

EFE |

Antes do início da audiência, que como nas anteriores acontece dentro de uma prisão de segurança máxima, a Polícia enviou centenas de agentes e montou controles de segurança nas ruas dos arredores de Yangun.

Durante a audiência devem depor o advogado Khin Moe, membro da Liga Nacional pela Democracia (LND) e algumas das testemunhas apresentadas pela defesa da Nobel da Paz.

O tribunal rejeitou há duas semanas outras duas testemunhas propostas pela defesa: a veterana jornalista Win Tin, presa por ativismo político, e o vice-presidente da LND, Tin Oo, em prisão domiciliar desde meados de 2003.

Suu Kyi, de 64 anos, é acusada de violar em maio passado os termos da prisão domiciliar que cumpria há mais de meia década, ao receber duas noites em sua casa John William Yettaw, um americano que teve acesso à opositora burlando a vigilância policial.

Se declarada culpada, o líder da LND, única legenda política que resiste à intensa pressão do regime, pode ser condenada a até cinco anos de prisão, o que impediria sua participação nas eleições que a Junta Militar pretende realizar em 2010. EFE grc/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG