Tribunal de Mianmar condena Suu Kyi a outra prisão domiciliar

Por Aung Hla Tun YANGON (Reuters) - Um tribunal de Mianmar sentenciou nesta terça-feira a líder oposicionista Aung San Suu Kyi a 18 meses de detenção, um veredicto que provocou ampla reação negativa no exterior e manterá a ganhadora do prêmio Nobel da Paz afastada do cenário político durante as eleições de 2010.

Reuters |

O tribunal a condenou a três anos de prisão por violação da lei de segurança interna, mas a sentença foi imediatamente reduzida à metade por ordem do regime militar, que permitiu à Suu Kyi cumprir a pena em sua casa, em Yangon.

A leitura do veredicto provocou murmúrios de pesar no plenário. Momentos depois, o ministro do Interior, general Muang Oo, compareceu perante o juiz para anunciar a redução da pena.

Ele disse que a junta militar levou em conta o fato de que ela é filha de Aung San, heroi da independência da antiga Birmânia, e que é preciso "preservar a paz e a tranquilidade comunitárias e impedir quaisquer distúrbios no 'mapa para a democracia.'"

O termo 'mapa da democracia' se refere a um plano apresentado pela junta para supostamente democratizar o país, culminando com eleições multipartidárias em 2010.

A União Europeia disse em nota que irá tomar novas medidas "contra os responsáveis pelo veredicto."

Suu Kyi passou 14 dos últimos 20 anos sob algum tipo de detenção.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG