Tribunal de Belgrado ainda não recebeu apelação da extradição de Karadzic

Belgrado, 28 jul (EFE).- O Tribunal de Belgrado ainda não recebeu a apelação da decisão sobre a extradição do acusado de crimes de guerra Radovan Karadzic ao Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), informaram hoje as autoridades judiciais sérvias.

EFE |

A porta-voz do tribunal Ivana Ramic disse à imprensa que, segundo o serviço postal "PTT Serbia", não houve hoje entre os envios correspondência certificada para esta Corte.

Ramic disse que não há um prazo legal previsto para esperar que se receba a apelação, enviada pelos correios na sexta-feira, segundo a defesa de Karadzic, e que dependerá da avaliação do tribunal qual seria um "prazo razoável".

A porta-voz não respondeu sobre se há possibilidade de Karadzic ser extraditado ainda hoje ao TPII, com sede em Haia, onde o ex-presidente servo-bósnio será processado.

Svetozar Vujacic, o advogado de Radovan Karadzic, descartou horas antes a possibilidade de seu cliente ser extraditado hoje.

Vujacic tinha anunciado na semana passada que recorreria da decisão do juiz de instrução sérvio sobre a entrega de seu cliente no último dia de prazo legal previsto, na sexta-feira passada, e que o faria pelos correios.

No entanto, se negou a precisar algo sobre a apelação, com o argumento de que faz parte "de sua estratégia de defesa" de Karadzic.

Caso recebam a apelação, as autoridades sérvias teriam um prazo de três dias para decidir a respeito.

O objetivo do advogado é adiar a extradição para que a família de Karadzic, que mora na Bósnia, possa visitá-lo na prisão em Belgrado.

Os documentos da família de Karadzic foram confiscados em janeiro deste ano por ordem do alto representante internacional para Bósnia, Miroslav Lajcak, porque os parentes participariam da rede de ajuda para escondê-lo da Justiça internacional.

No entanto, Lajcak disse na sexta-feira passada que não poderá devolver os documentos retirados da família até que fique garantido que, deste modo, não ajudaria a rede de apoio. EFE Sn/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG