Treze anos após absolvição por assassinato, O.J. Simpson cumprirá pena por roubo

O.J. Simpson foi condenado nesta sexta-feira a pelo menos 15 anos de prisão por roubo a mão armada e seqüestro em Las Vegas (Nevada, oeste), 13 anos depois de ter sido absolvido em um julgamento no qual era acusado do assassinato de sua ex-mulher e de um amigo dela.

AFP |

"Eu nunca tive a intenção de fazer mal a ninguém" foram suas últimas palavras nesta sexta-feira, antes de ouvir a sentença proferida pela juíza Jackie Glass.

O ex-astro da NFL, hoje com 61 anos, compareceu à audiência já vestido com um uniforme de presidiário. Ele foi condenado num caso ocorrido em 2007, por assalto à mão armada e seqüestro em um hotel-cassino de Las Vegas.

Em outubro, Simpson foi declarado culpado por ter invadido um quarto do hotel-cassino Palace Station, em Las Vegas, junto com um grupo de homens armados, para roubar artigos esportivos de dois colecionadores, no dia 13 de setembro de 2007.

Ele foi detido poucos dias depois do roubo, mas pagou 125.000 dólares de fiança para responder ao processo em liberdade.

O circo da mídia que se formou em torno do ex-jogador a partir deste momento lembrou ao público o episódio de 1884, quando Simpson foi capturado e preso como o principal suspeito do brutal assassinato de sua ex-mulher, Nicole Brown, e do amigo dela, Ron Goldman.

Orenthal James nasceu em 9 de julho de 1947 em São Francisco, Califórnia (oeste), e foi um dos mais célebres jogadores da NFL de sua geração.

Com dois anos de idade, no entanto, sofria de raquitismo, e precisou usar muletas para se locomover até os cinco. Mais velho, cresceu como uma criança problemática, que aos 13 anos passou a fazer parte de uma gangue de rua em São Francisco. Pouco depois, foi detido em um centro de recuperação para menores.

"Nunca fiz mal a ninguém", disse Simpson em uma entrevista à revista Playboy, em 1976. "Só batia nas pessoas que mereciam", como citou o site do canal ESPN.

Com um passado conturbado, foi graças a seu talento para o esporte que Simpson escapou de um futuro sombrio. Ainda segundo o ESPN.com, o jogador "possuía um talento inato para se comunicar, o que o elevou a um nível quase mítico, até se tornar o primeiro atleta afro-americano de grande repercussão na mídia".

Seu sucesso fora dos campos o conduziu naturalmente para o cinema e a televisão. Trabalhou em filmes como "Inferno na torre" (1974) e "Corra que a polícia vem aí" (1988), além de algumas séries e como narrador esportivo.

Simpson chegou a ser cogitado para o papel principal em "Exterminador do futuro", mas os produtores o descartaram porque ele era "agradável demais para que convencesse como um serial killer", segundo o site Imdb.com.

O ex-jogador teve três filhos com sua primeira mulher Marguerite Whitley, e dois com a segunda, Nicole Brown, que em 1992 entrou com um pedido de divórcio alegando o "comportamento agressivo" de seu marido. Em 1989, segundo o ESPN.com, Simpson foi acusado de bater na mulher e passou dois anos em liberdade condicional.

Assim, quando Nicole e seu amigo foram encontrados mortos, em 1994, todas as suspeitas recaíram sobre seu ex-marido.

Após um ano de julgamento em Los Angeles, carregado de acusações de racismo (Nicole era branca) e cercado pela mídia, o ex-jogador foi absolvido em um polêmico veredicto, recebido com indignação pela opinião pública americana.

Em 1997, um processo civil encontrou o responsável pelas mortes de Nicole e Goldman, mas as famílias das vítimas - e grande parte do país - nunca se convenceram da inocência de Simpson.

bur-ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG