MÉXICO - Nove jovens e três policiais morreram neste sábado asfixiados ao tentar sair de uma boate durante uma operação da polícia na Cidade do México, informaram fontes oficiais.

Após a morte de sete jovens e dos três policiais no local da tragédia, as autoridades confirmaram o falecimento de outros dois participantes da festa em um hospital público.

Outros 17 jovens estão feridos, e 39 foram detidos por "alteração da ordem pública" depois da tragédia, quando tentavam retornar à boate e entraram em confronto com policiais.


Cidade do México viveu tragédia na madrugada do sábado / AFP

Entre os detidos está o dono do local, Alfredo Maya, acusado de ter causado a tragédia, ao anunciar a chegada da polícia ao local.

"Mais de mil pessoas que estavam na boate News Divine, no norte da Cidade do México tentaram sair em fuga precipitada, o que provocou a morte dos jovens e dos policiais", disse o secretário de Segurança Pública da Cidade do México, Joel Ortega.

Caos entre jovens

A polícia realizava uma operação para revisar as condições em que funcionava o local, levando a administração a anunciar, pelo sistema de som da boate, sobre a presença das tropas, o que provocou caos entre os jovens.

Ortega assinalou que no incidente morreram dois policiais e um agente judicial, além de sete participantes da festa.

Em um primeiro momento, Ortega dissera se tratar de cinco jovens e dois menores de idade, mas posteriormente revelou que os policiais ainda investigam a idade dos falecidos.

Fim das aulas

A festa marcava o fim das aulas de um curso de ensino médio, e por isso os policiais acreditam que muitos adolescentes podiam estar presentes.

O funcionário explicou que a operação se deu após várias ligações nas quais se denunciava que no local eram vendidas drogas e álcool a menores.

"Estamos realmente consternados por esta tragédia", afirmou Ortega, assinalando que 39 pessoas se encontram detidas e que já se iniciaram as investigações para determinar a responsabilidade penal pelo ocorrido.

As primeiras investigações estabelecem que a discoteca não contava com saídas de emergência, e por isso o estabelecimento será fechado.

"Vamos realizar a investigação, mas o responsável foi o dono da discoteca, que não tinha as saídas de emergência", indicou o delegado Francisco Chiguil.

O local permanece cercado por centenas de policiais, ambulâncias, e corpos de segurança.  

Leia mais sobre: casa noturna

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.