Amã, 27 jun (EFE).- O procurador do Tribunal de Segurança da Jordânia acusou três pessoas de planejar ataques suicidas contra uma igreja e instalações da segurança nacional, informaram hoje fontes judiciais.

Dois dos acusados, Majed Qatani, de 22 anos, e Ali Abu Arab, de 23 anos, foram detidos em maio, enquanto o terceiro, Hamad Sweirki, continua em paradeiro desconhecido.

Segundo as fontes, Qatani e Abu Arab são seguidores do pensamento takfir, que considera infiéis todas as pessoas, sejam muçulmanas ou não, que não comungam com suas idéias.

O fiscal responsabilizou estes três indivíduos de "planejar ações subversivas, tentar realizar um atentado terrorista e possuir material inflamável para fins ilícitos".

De acordo com a Procuradoria, Qatani "planejou atacar com um carro com explosivos um batalhão policial próximo à prisão".

No entanto, mudou de opinião devido às fortes medidas de segurança na área, por isso pensou em atentar contra uma igreja, de onde há diversas fotografias em seu telefone celular.

Os três suspeitos inclusive chegaram a realizar uma simulação da operação em maio, no deserto.

No entanto, o plano foi descoberto pelas forças de segurança poucos dias depois, quando foram interceptados em um controle de estrada. EFE ajm/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.