Tratamento pioneiro mostra poder terapêutico do videogame

Daniela Brik. Jerusalém, 12 jun (EFE).- Um tratamento pioneiro desenvolvido em um hospital de Israel ajuda os pacientes queimados a assumirem suas ferimentos e a superarem os danos psicológicos, graças a um videogame.

EFE |

"Empregamos este tratamento a cada paciente que chega", explicou à Efe o doutor Josef Haik, cirurgião plástico e especialista em queimados da Faculdade de Medicina da Universidade de Tel Aviv.

Diretor da unidade de queimados do Hospital Cheeba, em Tel Hashomer (próxima a Tel Aviv), onde o tratamento é realizado, Haik opera esta peculiar reabilitação em uma grande sala de simulação do centro médico.

"É um quarto virtual com uma estrutura ampla. A ideia central é que usamos um software muito barato denominado EyeToy, um programa que funciona com PlayStation 2, da Sony", disse.

O EyeToy é uma câmera digital parecida com uma webcam, com uma tecnologia que permite fotografar o paciente e reproduzir sua aparência e gestos em imagens, que aparecem em uma simples tela de televisão.

Desta maneira, o paciente pode jogar contra o próprio computador onde aparece sua imagem ou jogar com outros personagens.

"As vantagens deste sistema de cura é que o paciente não tem que tocar em nada e que vê a si mesmo projetado no videogame, em vez de expor-se diretamente ao espelho", afirma Haik, que desde 2004 experimenta este tratamento com queimados.

O especialista aponta que uma das vantagens do tratamento virtual é que ele pode ser usado por várias pessoas, evitando o risco de contágios de infecções, já que o doente não tem contato com outros e nem toca nenhum objeto.

Os especialistas acham que o videogame colabora, além disso, para reforçar a auto-estima do doente já que o jogo aflige e ao mesmo tempo recompensa.

"Os pacientes enfrentam desafios em jogos como boxe, tênis ou simplesmente lançando objetos virtuais contra a tela e se sentem gratificados quando conquistam aplausos e pontos com cada êxito", ressalta Haik.

A depressão e outros sintomas associados a queimaduras severas podem fazer com que o processo de recuperação seja mais doloroso do que deveria, uma brecha que o EyeToy tenta aliviar, ajudando os doentes nos primeiros passos para aceitar seu novo aspecto.

Assim, para o paciente, poder ver seu rosto ou partes queimadas de seu corpo na tela "é uma exposição menos dura que a antiga, onde o queimado se via no espelho e ficava impactado", acrescenta Haik.

Para muitos dos internados o tratamento serviu para se observarem pela primeira vez e se adaptarem pouco a pouco com sua nova fisionomia.

A PlayStation serve além disso como tratamento suplementar da fisioterapia tradicional, especialmente delicada na reabilitação, pois os queimados perdem massa muscular devido ao ferimentos que sempre correm perigo de infecção.

"Conseguimos que o paciente realize uma ampla gama de movimentos durante o jogo, que são seguidos pelos fisioterapeutas que os monitoram", comenta o doutor.

A chave é o fato de que o paciente queimado está concentrado no jogo e não em sua dor, o que faz com ele consiga exercitar-se melhor e fazer movimentos que de outra forma seriam mais doloridos.

A última das aplicações do console é o DVD, uma distração para os pacientes enquanto os fisioterapeutas não estão com eles.

"Definitivamente temos uma unidade de entretenimento, a um custo muito baixo e com uns rendimentos muito altos", conclui Haik, que publicou há alguns anos um estudo sobre o tratamento e aponta que a empresa Sony empregou esta mesma ideia "para preparar atletas". EFE db/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG