Tragédia movimenta comércio informal nas ruas do Haiti

PORTO PRÍNCIPE - A tragédia que atingiu o Haiti movimentou o comércio informal nas ruas do país. Em Jimani, na fronteira com a República Dominicana, com dinheiro consegue-se praticamente o que quiser: de galinhas vivas à comida feira na hora.

Vicente Seda, enviado especial a Porto Príncipe |

Vicente Seda
Garoto carrega galinhas compradas em comércio informal na fronteira entre Haiti e República Dominicana

Garoto carrega galinhas compradas na fronteira do Haiti

Os mercados locais, porém, praticamente não têm mais mantimentos para fornecer. Em um deles, visitados pelo iG, restavam apenas ovos e produtos inúteis em uma situação como a que o Haiti enfrenta, como pimenta e outros tipos de tempero.

Filas se formam em qualquer lugar que anuncie água potável ao preço que o vendedor desejar, e a polícia já começa a auxiliar no trânsito, que fica bem complicado e até impossível em certas áreas.

Logo após o portão de ferro e arame farpado que separa a República Dominicana do Haiti, mais comércio informal e uma linda paisagem, antes da entrada na zona rural que dá acesso a Porto Príncipe. Lá, caminhões apinhados de gente chegam com moradores da capital em busca de refúgio no interior, não atingido pelo terremoto, já que não podem cruzar a fronteira.

No fim do dia, na casa da cônsul honorária de Portugal, em um bairro nobre onde poucas casas foram atingidas (um muro da residência de Hildegard veio abaixo), um jantar com cara de Brasil. Feijão, arroz, frango assado, salada e banana da terra feita à moda local. Uma refeição saborosa, porém temperada com lágrimas.

Veja também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haititerremoto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG