Miami, 28 abr (EFE).- A Justiça americana condenou hoje a 30 anos de prisão, por associação para tráfico de drogas e obstrução à justiça, Eugenio Montoya, integrante do cartel da cocaína do Norte do Vale, na Colômbia, e irmão de Diego Montoya, considerados o maior traficante do mundo.

Montoya já havia se declarado culpado de ambas as acusações em janeiro, após firmar um acordo com a Procuradoria Federal do distrito sul da Flórida.

Após ser condenado, o traficante pediu desculpas aos familiares de uma testemunha federal em seu caso, José Jairo García Giraldo, conhecido como "Jhon" ou "Dosmil", que foi torturado e assassinado na Colômbia.

Ele foi espancado com tacos de beisebol e teve sua cabeça submersa na água durante um interrogatório em uma área rural da Colômbia por cúmplices de Montoya.

Em seguida, ele foi assassinado e seu corpo jogado em um rio.

As autoridades americanas classificaram este caso -no qual é acusado seu irmão Diego Montoya, conhecido como "Don Diego"- como o mais importante depois da sentença de 30 anos a Gilberto e Miguel Rodríguez Orejuela, ex-chefes do dissolvido cartel de Cali.

O cartaz do Norte do Vale substituiu em poder o de Cali, na mesma região do sudoeste colombiano e Eugenio Montoya foi extraditado aos Estados Unidos pelo Governo da Colômbia em 16 de junho do ano passado.

Ele administrava o dinheiro obtido pela organização com o narcotráfico e supervisionava os locais utilizados para escondê-lo.

A organização criminosa geralmente mantinha entre US$ 18 milhões e US$ 20 milhões em espécie em diferentes locais da Colômbia e Eugenio Montoya usava o dinheiro para construir laboratórios de refino de cocaína, pagar o transporte da droga e agentes de segurança.

Os Estados Unidos apontam que seu irmão "Don Diego" é responsável de cerca de 70% do tráfico de cocaína para Estados Unidos e Europa.

Em 2005, outro irmão de Eugenio e Diego, Juan Carlos, e um primo deles, Carlos Felipe Toro Sánchez foram extraditados aos Estados Unidos e condenados, respectivamente, a 21 e 19 anos de cadeia, ambos por crimes relacionados ao narcotráfico. EFE ef/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.