Trabalho de busca por sobreviventes de terremoto continua na Itália

Equipes de resgate continuam, nas primeiras horas desta terça-feira, as buscas por sobreviventes do terremoto de 6,3 graus na Escala Richter que atingiu a cidade italiana de Áquila, na madrugada de segunda-feira. Segundo a imprensa italiana, pelo menos 179 pessoas morreram, 1,5 mil ficaram feridas e dezenas ainda continuam desaparecidas em conseqüência do abalo sísmico.

BBC Brasil |

Informações também dão conta de que pelo menos 50 mil pessoas estão desabrigadas.

De acordo com o jornal italiano La Repubblica, cerca de 100 pessoas foram resgatadas vivas dos escombros.

Os sobreviventes estão sendo abrigados em hotéis e em um conjunto de barracas que foi montado na cidade.

O correspondente da BBC Duncan Kennedy afirmou que a região foi atingida por um forte abalo secundário por volta das 19h (horário de Brasília). O novo tremor durou cerca de dois segundos.

Este foi o mais forte abalo secundário dos muitos que foram sentidos na região ao longo do dia.

Muitas casas da cidade medieval foram reduzidas a escombros e carros amassados se espalham pelas ruas.

No vilarejo de Onna, de apenas 350 habitantes, pelo menos 24 pessoas morreram por causa do terremoto.

O terremoto ocorreu por volta das 3h30 no horário local (22h30 de domingo pelo horário de Brasília), teve duração de cerca de 30 segundos e atingiu pelo menos 26 cidades e vilarejos, segundo autoridades locais.

Chuva

Depois de um dia ensolarado nesta segunda-feira, o trabalho das equipes de resgate foi prejudicado pela chuva desta noite.

A água fez com que a poeira se transformasse em uma lama de cor clara, mas, mesmo assim, as equipes continuaram a remover os escombros com as mãos.

O uso de tratores e escavadeiras está sendo evitado para que não se corra o risco de que as máquinas causem mais ferimentos nas pessoas que estão abaixo dos escombros.

Vilarejos inteiros foram destruídos, segundo testemunhas
Centenas de pessoas seguem desaparecidas e resgate continua / AP

Terremoto deixou Terremoto deixou região histórica de L'Aquila destruída / AP

Pelo menos 5 mil pessoas estão trabalhando na busca por feridos.

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, afirmou que o país tem os recursos necessários para lidar com o desastre e declarou estado de emergência na região.

Segundo o correspondente da BBC Duncan Kennedy, isto quer dizer que recursos podem ser deslocados de outras partes do país para auxiliar os trabalhos de resgate e ajudar os sobreviventes.

O comissário da Cruz Vermelha Italiana, Francesco Rocha, disse à BBC que a prioridade agora é tentar salvar as vidas das pessoas que ainda estejam sob os escombros.

"A segunda coisa é organizar a vida dos desabrigados. Estamos providenciando cozinhas de campanha, camas, e outros itens para ajudá-los nos próximos dias", disse Rocha à BBC.

Patrimônio histórico

Estima-se que entre 3 mil e 10 mil edifícios tenham sido danificados pelo tremor, o que deve tornar a cidade construída no século 13 inabitável por algum tempo.

Partes de antigas igrejas e castelos na cidade e nas proximidades foram destruídas pelo abalo.

A cidade de Áquila é considerada um dos maiores tesouros arquitetônicos da Itália.

Correspondentes afirmam que a idade de muitos destes edifícios faz com que eles sejam mais vulneráveis a terremotos.

Grande parte do centro de Áquila foi reconstruída após um terremoto em 1703.


Epicentro do terremoto foi em L'Aquila, no centro da Itália


Clique para ver o infográfico

Leia também:

 Com informações da Efe

Leia mais sobre: terremoto

    Leia tudo sobre: itália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG