Trabalhistas sofrem nova derrota eleitoral na Grã-Bretanha

O Partido Trabalhista britânico, do primeiro-ministro Gordon Brown, saiu derrotado nas eleições realizadas na quinta-feira para preencher uma cadeira no Parlamento que ficou vaga após a morte de uma legisladora. As eleições foram realizadas no Distrito de Crewe e Nantwich, noroeste da Inglaterra, para a substituição da parlamentar que representava a região desde 1983, Gwyneth Dunwoody.

BBC Brasil |

O Distrito era considerado um reduto trabalhista, e a própria filha da parlamentar, a trabalhista Tamsin Dunwoody, foi derrotada pelo candidato conservador, o advogado Edward Timpson, na primeira vitória dos conservadores neste tipo de eleição em 26 anos.

Segundo o analista político da BBC Jon Devitt, esta vitória é um marco para os opositores do Partido Conservador, pois o partido de oposição poderá afirmar que está a caminho de formar o próximo governo da Grã-Bretanha, com a habilidade de vencer em áreas onde apenas sofreram derrotas nas últimas duas décadas.

"Sei que vencer uma eleição como essa e uma eleição geral são coisas diferentes", disse David Cameron, líder do Partido Conservador. "Mas acredito que isto é muito encorajador, milhares de pessoas que nunca tinham votado nos conservadores antes colocaram sua confiança no Partido."
Abalo de confiança
O resultado abalou a confiança dos parlamentares do Partido Trabalhista. Um dos parlamentares já questionou o estilo de liderança do premiê Gordon Brown, que assumiu o poder há menos de um ano, após a renúncia de Tony Blair.

Desde então, as pesquisas de opinião vêm mostrando uma queda acentuada no apoio ao Partido Trabalhista e a ascensão dos conservadores.

A derrota do partido do governo nestas eleições foi o segundo golpe para os trabalhistas que, no início de maio, sofreu sua pior derrota dos últimos 40 anos nas eleições locais.

Naquela votação, a proporção de votos dados aos trabalhistas nacionalmente ficou em 24%, colocando o partido em terceiro lugar, atrás dos conservadores, com 44%, e do Partido Liberal Democrata, com 25%.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG