Trabalhismo israelense chega a acordo e escapa de cisão

Jerusalém, 5 ago (EFE).- O Partido Trabalhista israelense aprovou hoje a realização de eleições primárias em outubro de 2012, com um acordo que afasta momentaneamente o fantasma de um racha na legenda presidida pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak.

EFE |

Barak e três destacados membros do crescente "setor crítico" do partido, Isaac Herzog, Avishai Braverman e Ophir Pines-Paz, chegaram a este compromisso horas antes do início da convenção do comitê central da legenda.

Os deputados "rebeldes" tinham ameaçado boicotar o evento e inclusive deixar o partido caso Barak propusesse uma reforma nos estatutos da legenda que aumentaria notavelmente os poderes do líder.

Apesar do pacto, Barak atacou seus adversários políticos ao dizer que "há membros do partido que se comportam de forma imoral e antidemocrática. Não sucumbirei à ditadura ideológica de membros que não aceitam a autoridade".

O acordo aprovado na conferência aumenta o poder das lideranças do partido e estipula que, caso as eleições gerais sejam antecipadas, o mesmo acontecerá com as primárias.

O "setor crítico" acusa Barak de dirigir o partido de forma ditatorial. Diversos trabalhistas se opõem à permanência da legenda no Governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, junto com forças de direita, extrema direita e de caráter judaico.

EFE ap/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG