Total de mortos em terremoto na China passa de 60 mil

O número de mortos no terremoto que atingiu a província de Sichuan, na China, no dia 12 de maio, já passa de 60 mil, segundo dados divulgados neste sábado pelo premiê chinês, Wen Jiabao. Jiabao afirmou ainda que o total pode subir para 80 mil.

BBC Brasil |

O premiê falou à imprensa durante uma visita do secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, que elogiou os esforços da China em lidar com as conseqüências do terremoto.

Em visita à cidade de Yingxiu, próxima ao epicentro do terremoto, o secretário-geral afirmou que o país teve uma "liderança extraordinária" em lidar com a situação.

Ban Ki-Moon afirmou que a ONU está pronta para oferecer mais ajuda nos esforços de socorro e resgate. Segundo ele, a comunidade internacional está ao lado do governo chinês para trabalhar juntos nas conseqüências do desastre.

O secretário-geral visitou a China em um intervalo de sua viagem para Mianmar, onde está negociando novos esforços para auxiliar as vítimas do ciclone que atingiu o país. Ainda neste sábado o secretário-geral deve seguir para a Tailândia, onde irá inaugurar um novo centro que irá concentrar os suprimentos das equipes de resgate.

Preocupação
De acordo com o vice-ministro do Ambiente chinês, Wu Xiaoqing, 50 fontes de radiação foram soterradas pelo terremoto. Destas, 35 já foram controladas, mas as 15 restantes estão cobertas por escombros ou em construções de acesso perigoso.

Apesar disso, Xiaoqing afirmou que até o momento não foram registrados vazamentos de substâncias radioativas. O ministro não citou as fontes radioativas, mas especialistas afirmam que elas devem ser provenientes de hospitais, fábricas e laboratórios e não de armas radioativas.

Além dessa, outra preocupação das autoridades chinesas é o número de lagos formados por deslizamentos de terra causados pelo terremoto, que bloquearam os rios da região.

De acordo com a agência de notícias chinesa Xinhua, 34 lagos foram formados na província, dos quais oito comportam cerca de 3 milhões de metros cúbicos de água. Uma das formações, próxima a cidade de Beichuan - uma das mais afetadas pelos tremores - dobrou de tamanho em apenas quatro dias.

A agência afirmou ainda que oficiais estão monitorando os lagos e que especialistas foram enviados ao local para avaliar o problema.

Os meteorologistas prevêem chuvas fortes na região para a próxima semana, o que poderia aumentar ainda mais o nível dos lagos.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG