Tortura e morte de bebê abrem debate sobre rede social britânica

O caso de um bebê de 17 meses que foi brutalmente assassinado depois de ser submetido à tortura chocou a Grã-Bretanha e abriu um debate sobre o papel dos assistentes sociais no país. A criança - identificada como Bebê P, pela polícia - morreu no dia 2 de agosto de 2007 no distrito de Haringey, no norte de Londres, mas os detalhes do caso só vieram à tona neste ano, com o julgamento dos culpados.

BBC Brasil |

A autópsia revelou que o bebê foi usado como um "saco de pancadas" e que teve a sua coluna e oito de suas costelas quebradas.

Apesar das constantes agressões ao bebê durante meses, os assistentes sociais que visitavam a casa duas vezes por semana não perceberam a gravidade do caso e não impediram a sua morte. Um médico não teria percebido, um dia antes da morte, que a coluna e as costelas do bebê estavam quebradas.

No julgamento, a mãe da criança, de 27 anos, declarou-se culpada de provocar a morte e receberá a sentença em dezembro. Nesta terça-feira, o namorado dela, de 32 anos, e um hóspede que morava com o casal e a criança, Jason Owen, 36, foram condenados pela morte.

A Justiça inocentou os assistentes sociais, que levaram uma advertência da subprefeitura de Haringey. Um relatório está sendo encomendado para determinar como o sistema de proteção de crianças está operando na Inglaterra.

Coluna e costelas quebradas

Durante o julgamento, o júri só viu imagens computadorizadas das lesões sofridas pelo bebê, porque as fotografias reais foram consideradas fortes demais.

Além da coluna e das costelas quebradas, o bebê tinha vários cortes e machucados, inclusive com parte de sua orelha rasgada. Algumas das suas unhas foram arrancadas e um de seus dentes foi encontrado no seu estômago.

Em setembro de 2006, a mãe disse ao seu médico que a criança "se machucava com facilidade". No mês seguinte, ela surgiu no consultório dizendo que o bebê havia caído de uma escada.

Em dezembro, em nova consulta, o médico constatou mais lesões no "Bebê P". Pediatras do hospital de Whittington disseram então que as lesões pareciam ser "não acidentais" e os assistentes sociais do distrito de Haringey foram acionados para acompanhar o bebê. A polícia começou a investigar o caso.

A mãe chegou a perder a custódia, mas reconquistou o direito de cuidar da criança em janeiro. O julgamento revelou que a polícia e os pediatras se opuseram à decisão, mas que os assistentes sociais argumentaram que a volta do bebê aos cuidados da mãe facilitaria a reintegração familiar.

A mãe também mentiu aos assistentes sociais que nenhum homem estava morando com ela.

O bebê voltou a ser levado ao hospital duas vezes, em abril e junho de 2007, com novas lesões.

Na última visita de um assistente social, poucos dias antes da morte, a mãe sujou o rosto do bebê com chocolate, para disfarçar as marcas de agressões. Uma investigação posterior revelou que em uma nova consulta médica, no dia anterior à morte, um médico do hospital St. Ann não detectou que o bebê estava com a coluna e as costelas quebradas.

Investigações

Uma investigação interna da subprefeitura de Haringey culpou um dos advogados do órgão, que decidiu não tirar a custódia da mãe. O advogado e dois assistentes sociais receberam advertências. A instituição disse que houve "vários exemplos" de boas práticas dos assistentes sociais durante o caso, mas muitas "fraquezas" na transferência de informação entre as partes prejudicaram o trabalho coletivo.

"O fato triste é que nós não conseguimos impedir pessoas que estão determinados a matar crianças", disse Sharon Shoesmith, do conselho de proteção das crianças de Haringey.

Em 2000, assistentes sociais do mesmo distrito de Londres também não conseguiram impedir o assassinato de outra criança que foi torturada.

Na época, um inquérito público foi aberto para identificar o papel de todos os envolvidos no caso da morte de Victoria Climbie. O relatório criticou a falta de comunicação entre as diferentes instituições e um fracasso "grosseiro e inexplicável".

Mor Dioum, diretor da Fundação Victoria Climbie, que foi criada após o caso, disse que o incidente envolvendo o "Bebê P" é ainda pior que a morte ocorrida em 2000.

Uma nova revisão do sistema de proteção às crianças na Inglaterra está sendo encomendada e deve ser conduzida pelo mesmo juiz que investigou o caso Climbie.

Leia mais sobre tortura

    Leia tudo sobre: tortura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG