Tom do discurso sobre Cuba divide Brasil e Venezuela em cúpula

Os governos de Brasil e Venezuela deverão chegar a Trinidad e Tobago com discursos diferentes em relação à questão cubana, tema que promete dominar a 5ª Cúpula das Américas, que começa nesta sexta-feira. Se por um lado os dois países defendem o fim do embargo dos Estados Unidos a Cuba, existem diferenças de opinião sobre como apresentar a demanda durante o encontro.

BBC Brasil |

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, quer que as discussões sobre Cuba sejam o principal tema do encontro. Chávez pediu, inclusive, que a questão seja incluída na declaração final da cúpula."E por que Cuba não está (presente)? Essa será nossa primeira pergunta", afirmou Chávez em um ato público na segunda-feira.

O governo da Venezuela afirma que "é oportuno mostrar aos EUA nesse primeiro encontro que a região mudou, que temos que orientar as novas relações com base no respeito mútuo", disse um alto funcionário do governo à BBC Brasil.

"Entre essas mudanças está a necessidade de levantar o debate sobre Cuba", acrescentou.

Postura brasileira

O Brasil deverá adotar uma postura menos belicosa. A posição oficial do Itamaraty é que o fórum adequado para discutir a questão é a assembléia da Organização dos Estados Americanos (OEA), instância com mandato para decidir se o governo cubano pode ser aceito novamente no grupo e que se reúne em junho.

O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, disse que o Brasil vai defender o fim do embargo, mas que não há razão para criar "uma situação negativa" para o presidente Obama.

"O presidente Lula vai a Trinidad ciente de que nem Obama, nem Cuba, estão interessados que o embargo se transforme na grande polêmica da cúpula", disse à BBC Brasil um interlocutor do presidente Lula.

Na semana passada, o novo embaixador cubano em Brasília, Bruno Rodríguez, reuniu-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e, segundo relatos do encontro, teria pedido a Lula que atuasse no sentido de não estimular o confronto com os Estados Unidos.

De acordo com a versão, não interessaria ao governo de Raúl Castro confrontar a recém-inaugurada administração Obama, que tem afirmado a disposição de "ouvir" e "dialogar" com a América Latina.

"Ao contrário do que possa parecer, Cuba e Estados Unidos mantêm contatos diretos, não precisam de interlocutores", disse uma fonte do governo brasileiro à BBC Brasil.

"Anomalia"

Na segunda-feira, apenas alguns dias antes do encontro em Trinidad, o governo Obama também suspendeu restrições a viagens e remessas de dinheiro a Cuba que haviam sido impostas pelo governo George W. Bush.

As medidas foram descritas por Celso Amorim como "um pequeno passo na direção certa".

De acordo com o Palácio do Planalto, elas devem ser "saudadas" pelo presidente Lula em seu discurso na cúpula. "Será um discurso conciliatório".

Com relação ao embargo econômico dos Estados Unidos a Cuba, o ministro Celso Amorim disse que o presidente Obama deverá ouvir "que a região quer ver o fim do embargo", classificado por ele como uma "anomalia".

No entanto, o chanceler diz que é preciso também "respeitar a soberania dos Estados Unidos".

"Eles é que decidem o que fazer em relação a Cuba", diz o chanceler. "Mas essa é uma situação ruim, tanto para os Estados Unidos quanto para o povo cubano", acrescentou.

Apoio

Apesar das críticas públicas, a avaliação do governo é que não há apoio suficiente no Congresso americano para a aprovação do fim do embargo neste momento, sobretudo quando todas as atenções ainda estão voltadas para a crise econômica.

Os dois assuntos, crise e Cuba, foram tema de um conversa telefônica de Lula e Obama nesta quinta-feira, em que os líderes discutiram por 15 minutos as propostas que levarão à cúpula.

O embargo econômico dos Estados Unidos a Cuba proíbe, entre outras atividades, que empresas americanas e suas subsidiárias façam negócios com Cuba.

A medida foi imposta em 1962, durante a Guerra Fria, após a aproximação entre o regime de Fidel Castro e a União Soviética.

Depois de eleito, Barack Obama afirmou que o fim do embargo total só ocorrerá se Cuba fizer reformas significativas, como a realização de eleições democráticas.

Leia também:

Leia mais sobre 5ª Cúpula das Américas

    Leia tudo sobre: 5ª cúpula das américas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG