Todos os mortos em ataque israelense a navios são cidadãos turcos

Legistas confirmaram a informação nesta quinta-feira

EFE |

Ancara - Legistas da Turquia concluíram que os nove mortos no ataque israelense à frota humanitária que se dirigia a Gaza são cidadãos turcos e morreram em decorrência de tiros que levaram. Três aviões ambulância levaram nas últimas horas os mortos e feridos da abordagem israelense ao navio 'Mavi Marmara', que foram transferidos para a cidade turca de Istambul.

Já havia a confirmação de que pelo menos quatro dos nove mortos eram cidadãos turcos, mas as autoridades da Turquia confirmaram nesta quinta-feira à imprensa que todos eles são cidadãos do país euro-asiático. Os demais ativistas turcos passam por exames médicos para determinar seu estado de saúde em um centro hospitalar de Istambul.

As autoridades locais temem que alguns possam ter sido envenenados com produtos químicos. O vice-primeiro-ministro turco, Bulent Arinc, disse que a Justiça iniciaria um processo legal contra Israel em função dos resultados que destes exames. Ainda nesta quinta-feira, o procurador-geral de Ancara começou a colher depoimentos de alguns dos feridos em um hospital da capital turca e prevê abrir uma ação contra os israelenses responsáveis pelas mortes e pelas lesões aos feridos.

A ONG turca Fundação de Ajuda Humanitária (IHH, na sigla em turco), uma das organizadoras da frota, afirmou nesta quarta que três ativistas que participaram da viagem estão desaparecidos e também poderiam ter morrido. O presidente da IHH, Bulent Yildririm, que estava a bordo do navio, disse também que os médicos que viajavam com o grupo entregaram a Israel a 38 feridos, mas só 21 foram repatriados.

"Mataram um de nossos amigos depois que ele se rendeu. Atacaram com bombas de gás e balas reais. Um de nossos colegas, um jornalista que tirava fotos, foi vítima de um tiro a um metro de distância", afirmou Yildirim. "Só demonstramos resistência civil. Disseram que tomamos suas armas e disparamos. Tomamos sim algumas armas, mas as jogamos para o mar", disse.

Por outro lado, o embaixador turco em Israel, Oguz Celikkol, retornou a Istambul após o fim da repatriação dos ativistas, e não se sabe quando ele retornará. Para esta sexta-feira está prevista uma grande manifestação em Istambul, em protesto pelas mortes dos ativistas.

    Leia tudo sobre: iGturquiaisrael

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG