Tocha olímpica chega em território chinês através de Hong Kong

Dezenas de milhares de pessoas receberam nesta sexta-feira a tocha olímpica em Hong Kong, marcando o seu regresso a terras chinesas, enquanto Pequim espera não ter maoires problemas, após uma série de distúrbios na viagem mundial da chama.

AFP |

Exceto por pequenos incidentes, que não provocaram nenhuma prisão, o percurso de cerca de sete horas na antiga colônia britânica devolvida em 1997 à China terminou sem maiores distúrbios.

Com roupas vermelhas e agitando bandeiras chinesas, uma multidão acompanhou todo o percurso, que teve milhares de policiais mobilizados.

"A passagem da tocha é um dia de alegria, e por isso penso que não é uma boa idéia se manifestar hoje", afirma Vivien Lai, uma enfermeira que veio assistir à passagem da chama com a família e com o namorado.

"Não venho sempre mas hoje é um grande dia", felicitou-se David Mung, um representante comercial vindo de Shenzhen, cidade vizinha do sul da China.

"As pessoas de Hong Kong são muito acolhedoras. Somos uma grande família e espero que tudo ocorra hoje sem incidentes", acrescentou Mung, com o rosto coberto de adesivos da bandeira chinesa.

Cerca de vinte de pessoas foram detidas, dentre as quais uma dezena de militantes pró-Tibete, que foram levados para uma caminhonete da polícia após um distúrbio com manifestantes pró-China.

As autoridades da Região administrativa especial (RAS) de Hong Kong realizaram expulsões de manifestantes pró-Tibete nos últimos dias.

Cerca de cem militantes pró-democracia protestaram, pedindo o voto universal na ilha que retornou em 1997 à China.

Devido ao princípio de "um país, dois sistemas", Hong Kong se beneficia até 2047 do seu sistema liberal e dos seus próprios poderes, executivo e legislativo, mas o chefe do executivo continua a ser nomeado por meio de um colégio eleitoral controlado por Pequim.

Presente em Hong Kong, a atriz americana Mia Farrow afirmou ter "simpatia" pelo povo tibetano, aproveitando a ocasião para citar a crise de Darfur e denunciar a complacência de Pequim no que diz respeito ao Sudão, acusado de cometer atrocidades na província.

Faltando menos de 100 dias para a abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim (8-24 de agosto), as autoridades chinesas esperavam uma etapa sem problemas em Hong Kong, após um périplo internacional dominado pelos protestos contra a repressão chinesa no Tibete.

A chama tomará no sábado a direção de Macau, antes de atravessar a China, via o Tibete.

Pequim acusa o Dalai Lama, líder espiritual dos tibetanos, que vive em exílio na Índia, de ser o instigador das manifestações e dos violentos protestos que começaram em 10 de março na capital do Tibete, e se estenderam em por outras regiões.

adm-msl-gn/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG