Bogotá, 14 ago (EFE).- Disparos acidentais da arma de um colega foram a causa da morte de um militar colombiano na quinta-feira à noite em uma base da missão multinacional de paz na península do Sinai, no Egito, informaram hoje as autoridades militares de Bogotá.

O comandante do Exército Nacional, o general Óscar González, confirmou em comunicado que outro soldado colombiano ficou ferido no episódio.

Os dois estavam inscritos no Batalhão Colômbia Número 3, afirmou o oficial, que indicou que o acidente ocorreu por volta de 18h (de Brasília) na quinta-feira na base de Al-Gorah.

"Em um momento em que a unidade (colombiana) se preparava para receber a guarda do Comando da Força Multinacional, o soldado profissional Rafael Garrido Rodríguez acionou a arma de dotação, causando a morte do soldado profissional Gildardo Andrés Taborda Patiño", explicou o general González.

O chefe militar acrescentou que no episódio ficou "levemente ferido o soldado profissional Luis Enrique Pérez Palencia, que recebeu socorro médico imediatamente".

A investigação do caso foi assumida por um juizado de Instrução Penal Militar de Bogotá, prosseguiu González, que disse que o juiz do caso deverá "determinar as circunstâncias do fato".

O corpo de Taborda será levado ao país "nas próximas horas", disse González, que acrescentou que Garrido "será repatriado nos próximos dias".

A Força Multinacional e de Observadores na Península do Sinai tem por missão supervisionar o cessar-fogo assinado entre Egito e Israel em 1979.

Ela é formada por soldados de 11 países: Austrália, Canadá, Colômbia, Estados Unidos, Fiji, França, Hungria, Itália, Nova Zelândia, Noruega e Uruguai. EFE jgh/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.