Testemunhas relatam caos e terror no Haiti

Testemunhas do tremor de 7 graus na escala Richter, que atingiu a capital do Haiti na tarde de terça-feira (12), relataram cenas de caos, devastação e angústia, com edifícios destruídos e pessoas mortas e feridas em Porto Príncipe e nos arredores.

iG São Paulo |

O abalo que atingiu a capital do Haiti foi tão forte que muitos tiveram dificuldades para se manter em pé, segundo afirmou à BBC Brasil Gabriela Rezende, conselheira da Embaixada Brasileira no Haiti.

No momento do tremor, a diplomata brasileira estava na sede da missão brasileira em Porto Príncipe, capital do Haiti, no terceiro andar de um edifício no bairro Pétionville. "Foi tudo muito rápido. Muitos funcionários da embaixada não conseguiam nem ficar de pé, então tivemos que esperar um pouco para o tremor parar e podermos descer a pé pelas escadas", disse.

AFP
Terremoto no Haiti

Mulher em escombros no Haiti

Já Dixie Bickel, diretora de um orfanato nos arredores de Porto Príncipe, afirmou que o terremoto sacudiu o local onde ela estava por "35 segundos". "Eu estava no escritório, tentei sair, mas tudo estava caindo das estantes, e eu não conseguia me mover dentro da sala," disse. "O temor derrubou tudo: as crianças, os funcionários, os livros e objetos das estantes. Até a comida que estava no forno, para o jantar das crianças, caiu no chão."

Rastro de destruição

Em sua primeira entrevista desde a tragédia, o presidente do Haiti, René Préval, disse ao jornal Miami Herald que o cenário na capital Porto Príncipe é "inimaginável". Por causa da extensão da tragédia, o primeiro-ministro haitiano, Jean-Max Bellerive, chegou até a dizer à rede de TV CNN que temia que centenas de milhares possam ter morrido na tragédia.

"O Parlamento desabou. O escritório de impostos desabou. Escolas desabaram. Hospitais desabaram", afirmou Préval. Segundo a Cruz Vermelha, a estimativa é de que cerca de 3 milhões de pessoas - um terço da população do país - tenham sido afetadas pelo terremoto.

Carel Pedre, um apresentador de rádio e TV em Porto Príncipe, disse à BBC ter testemunhado uma grande destruição no trajeto de oito quilômetros que fez pela capital para encontrar sua filha.

"Vi muitas pessoas chorando e implorando por ajuda, muitos edifícios desmoronados, vários carros danificados, muitas pessoas sem ajuda, outras ensanguentadas", relatou.

Ele disse ter visto um cinema, um supermercado, um cibercafé e um prédio de apartamentos totalmente destruídos.

Pedre disse que podia sentir os tremores secundários a cada 15 ou 20 minutos, cada um durando de três a cinco segundos.

*Com informações da BBC

Leia também:

Leia mais sobre terremoto

    Leia tudo sobre: haititerremototragédia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG