Dois jornalistas que estavam em Madri perto do local do acidente aéreo desta quarta-feira descreveram o que viram depois do desastre que matou mais de cem pessoas. O jornalista espanhol Manuel Moreno estava a caminho de casa quando o acidente ocorreu.

Ele disse que estava a cerca de 1 km do terminal principal do aeroporto de Barajas quando ouviu um forte ruído. Então parou o carro e, à distância, viu fumaça vindo da direção da pista do aeroporto.

Moreno disse que havia um incêndio dentro do avião e acredita que o número de mortos vai aumentar.

O acidente ocorreu quando um avião MD 82 da empresa aérea Spanair derrapou e saiu da pista durante a decolagem.

Há relatos de que o motor esquerdo teria se incendiado durante a decolagem.

A aeronave, com destino a Las Palmas, nas Ilhas Canárias, tinha 173 pessoas a bordo, entre passageiros e tripulantes.

Incêndio
A jornalista Stephanie McGovern, da BBC, estava no aeroporto e disse que a área na qual o avião foi parar tinha muita grama e estava muito seca, o que pode ter feito com que o incêndio se espalhasse mais rápido.

O avião estava com o tanque cheio de combustível e, segundo McGovern, a preocupação imediata das autoridades foi que a situação piorasse por causa disso.

McGovern disse que helicópteros seguiam continuamente para a cena do acidente, jogando água sobre o avião. Ela também viu muitas ambulâncias - cerca de 70 nas últimas horas - seguindo para a área, para levar os sobreviventes para hospitais.

Segundo a jornalista, a fumaça diminuiu e apenas membros da polícia e dos bombeiros continuam indo para a área.

A polícia fechou a maioria das entradas do aeroporto, mas McGovern disse que ainda há vôos decolando em Barajas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.