WASHINGTON - O Tesouro dos Estados Unidos está considerando aplicar mais sanções financeiras contra a Coreia do Norte, depois que Pyongyang realizou um teste nuclear e lançou dois mísseis de curto alcance, disse uma autoridade do Tesouro nesta terça-feira.


A autoridade, que não está autorizada a falar publicamente sobre o assunto, disse que a Coreia do Norte ainda tem acesso limitado ao sistema financeiro internacional, e que o Tesouro dos EUA tem "vasta autoridade" para tomar decisões para isolar o país asiático. "Nós estamos revendo nossas opções com relação a isso", afirmou.

A embaixadora americana na ONU, Susan Rice, disse nesta terça que a Coreia do Norte vai pagar um preço pelos testes, de mísseis e nuclear, realizados nesta semana.

"A pressão, econômica ou não, aumentará, e a Coreia do Norte perceberá que suas ações levam apenas a um maior isolamento e a tornam mais debilitada", disse ela.

A diplomata afirmou que a comunidade internacional não vai permitir que o país asiático "continue neste caminho". "A Coreia do Norte precisa entender que suas ações têm consequências", reforçou.

Nesta terça-feira, a Coreia do Norte testou dois mísseis de curto alcance, um terra-mar e um terra-ar, e afirmou que estava claro que a "política hostil" americana para com o país não tinha mudado.

"Nosso povo e Exército estão prontos para a batalha contra qualquer tentativa de ataque preventivo dos EUA", diz uma nota do governo divulgada pela agência estatal norte-coreana KCNA.

Na segunda-feira a Coreia do Norte realizou um teste nuclear subterrâneo que técnicos russos afirmam ter sido da mesma magnitude da bomba lançada sobre a cidade japonesa de Hiroshima pelos americanos na 2º Guerra Mundial. A explosão teria sido bem mais forte do que o primeiro teste feito pelo país, em 2006.

Diplomatas na ONU começaram a discutir o texto de uma resolução para punir a Coreia do Norte. Pouco antes os integrantes do Conselho de Segurança da instituição condenaram por unanimidade o teste nuclear. 

(Com informações da Reuters e da BBC)

Leia também:

Leia mais sobre Coreia do Norte

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.