Os grupos islâmicos responsáveis pelos mortíferos ataques que deixaram uma centena de mortos na noite de quarta-feira em Mumbai são ligados à rede terrorista Al-Qaeda, considerou nesta quinta-feira um alto funcionário dos serviços de inteligência russos, citado pela agência Ria Novosti.

"Os serviços de inteligência russos dispõem de informações segundo as quais alguns dos grupos que atacaram Mumbai estiveram em contato com a Al-Qaeda", afirmou a fonte, que não quis ser identificada.

"Trata-se do gruio terrorista Lashkar-e-Taiba. Os combatentes deste movimento receberam um treinamento especial nos campos da Al-Qaeda que estão na fronteira entre Paquistão e Índia", destacou.

Segundo o responsável, os principais alvos dos atentados eram cidadãos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha. "Não é um acaso se os combatentes estavam procurando nos hotéis cidadãos destes países. Para nós, é evidente que eles estavam obecedendo a ordens", afirmou.

Os serviços de inteligência russos haviam alertado seus colegas indianos sobre a presença deste grupo na Índia, destacou o alto funcionário russo.

"Infelizmente, os indianos consideravam este grupo, pelo menos até agora, como bandidos envolvidos em confrontos territoriais em uma zona da fronteira entre Índia e Paquistão", acrescentou.

O presidente russo, Dmitri Medvedev, condenou nesta quinta-feira os atentados "monstruosos" e "desumanos" de Mumbai, em uma carta de condolências enviada ao presidente e ao primeiro-ministro indianos.

Cerca de cem pessoas foram mortas e outras cem ficaram feridas na noite de quarta-feira em Mumbai em uma série de tiroteios e explosões provocados por homens armados com fuzis de assalto e granadas. Dois dos maiores hotéis da cidade, freqüentados essencialmente por turistas, foram atacados.

Os atentados foram reivindicados por um grupo islâmico chamado Deccan Mujaheddins. Deccan é o nome da planície que cobre grande parte do centro e do sul da Índia.

vvl/yw/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.