Terrorista suicida que explodiu café de Argel era cego

Argel, 16 jun (EFE).- Um dos terroristas suicidas que detonou um cinturão de explosivos que levava contra um quartel da Guarda Republicana - força pertencente ao Exército da Argélia - e um café próximo no bairro de Le Lido, nos arredores de Argel, era cego, afirma hoje o jornal em árabe Ennahar.

EFE |

No sábado, a organização terrorista Al Qaeda para o Magrebe Islâmico (AQMI) assumiu a autoria do duplo atentado, que matou três pessoas e feriu outras cinco em 4 de junho.

Fontes de segurança identificaram seus autores como Benhala Hamza e Talesligha Brahim, que no comunicado de AQMI eram chamados de "Youssef Abou Bassir Al-Assimi" e "Ibrahim Al-Adham", respectivamente.

O jornal afirma que Brahim tinha perdido a visão após ter se juntado a grupos terroristas em 1997.

Após a criação de AQMI em outubro de 2006, ele se uniu à organização, onde atuou em várias brigadas antes de ser enviado à célula que operava no distrito de Bordj El Kifan, onde está o bairro de El Lido, para cometer um atentado suicida.

Segundo a mesma fonte, o suicida detonou o cinto de explosivos que levava ao redor de seu corpo no café por achar que o estabelecimento era muito freqüentado por militares do quartel vizinho.

Brahim, de 39 anos, era originário da localidade de Khemis El Kechna, na província de Boumerdès.

O outro suicida, que explodiu seu cinturão contra o quartel da Guarda Republicana, situada a poucos metros do café, tinha 28 anos e morava no bairro popular de La Montagne, em Argel. EFE sk/ev

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG