Cairo - O terrorista jordaniano Humam Khalil Abu Mulai al-Balawi, que matou sete agentes da CIA (agência de inteligência americana) em um ataque suicida no Afeganistão, disse, em um vídeo gravado pouco antes do atentado, que seu objetivo era vingar a morte do líder dos talebans paquistaneses Baitullah Mehsud.

AP
Vídeo divulgado pela Al Jazira
"Nunca esqueceremos o sangue de nosso emir Baitullah Mehsud", afirma Balawi na gravação, divulgada pela rede de TV "Al Jazira" e na qual o terrorista aparece sentado junto ao sucessor de Baitullah, Hakimullah Mehsud.

No último dia 30, Balawi detonou uma bomba em uma base da CIA na província afegã de Jost (leste), matando sete funcionários da agência americana e outro do serviço secreto jordaniano.

No vídeo, um Balawi de barba, uniforme militar e turbante na cabeça diz, em árabe, que sua mensagem é dirigida "aos inimigos da 'umma' (nação muçulmana), ao serviço de inteligência da Jordânia e à CIA".

O terrorista, também conhecido como Abu Duyana, acrescenta que a vingança pela morte de Baitullah, morto em agosto em um ataque de um avião não-tripulado americano, é "uma obrigação para todos os imigrantes acolhidos" pelo líder talibã no Paquistão.

AP
Foto de al-Balawi

Na gravação, Balawi diz ainda que "Hakimullah seguirá a mesma metodologia e o mesmo caminho (seguido por Baitullah)" até que os talibãs "alcancem a vitória ou tenham o mesmo destino de Hamza Abdul Mutaleb" (tio do profeta Maomé, que foi martirizado na batalha de Uhud, no ano 625).

O vídeo foi veiculado pela "Al Jazira" dois dias depois de a Al Qaeda ter publicado, em um site utilizado pelos islâmicos, uma mensagem na qual dizia que o terrorista jordaniano cometeu o atentado para vingar a morte de vários líderes rebeldes por tropas americanas no Afeganistão e na Somália.

Leia mais sobre: atentado contra a CIA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.