Terremoto potente afeta o sudoeste da China e deixa pelo menos cinco mortos

Pelo menos cinco pessoas morreram em um potente terremoto de 7,8 graus na escala Richter que afetou nesta segunda-feira o sudoeste da China, área densamente povoada.

AFP |

Vários edifícios desabaram e o Exército foi enviado para ajudar nas tarefas de resgate.

O epicentro do tremor, registrado às 14H30 locais (3H30 de Brasília), foi localizado 93 km ao noroeste de Chengdu, capital da província Sichuan e onde vivem mais de 10 milhões de pessoas, segundo o Instituto Nacional de Geofísica dos Estados Unidos (USGS).

Uma pessoa faleceu no desabamento de um depósito de água no distrito de Santai e pelo menos quatro crianças morreram no desabamento de duas escolas primárias, que também teriam deixado 100 feridos, no distrito de Liangping, perto da cidade de Chongqing, segundo a imprensa oficial.

Filas inteiras de casas desabaram em uma cidade situada perto do epicentro, Dujiangyan, que tem população de 600.000 habitantes.

"O presidente Hu Jintao ordenou grandes esforços para resgatar as vítimas do tremor de terra", informou a agência oficial Xinhua.

"O Exército foi mobilizado para auxiliar o governo local do distrito de Wenchuan a avaliar a situação e ajudar nas tarefas de resgate", explicou Tian Yixiang, do Exército Popular de Libertação e membro do departamento de situações de emergência.

O aeroporto internacional de Chengdu, capital de Sichuan, foi fechado provisoriamente após o tremor.

O primeiro-ministro chinês Wen Jiabao visitou o distrito de Wenchuan.

Em Pequim foi registrado um tremor de 3,9 graus pouco depois do forte terremoto no sudoeste do país. Até o momento não foram registrados danos ou vítimas na capital chinesa.

A secretaria responsável pelos terremotos desmentiu ter alertado contra novos tremores em Pequim, como havia informado em um primeiro momento o site do Diário do Povo.

O terremoto foi sentido em Xangai, Hong Kong, Bangcoc, Hanói e Taipé.

Um repórter do canal de televisão CCTV afirmou que em Chengdu os habitantes saíram às ruas, mas os transportes públicos e o fornecimento de energia elétrica não foram prejudicados.

Porém, os serviços de telefonia celular foram afetados pelo tremor.

De acordo com a televisão estatal, as infra-estruturas de Chongqing não parecem ter sido abaladas.

kma/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG