Autoridades chegaram a dar ordem de evacuação preventiva de uma faixa de 500 quilômetros entre as localidades de Concón

As autoridades chilenas descartaram neste domingo o risco de tsunami por causa do terremoto que na tarde deste domingo sacudiu a zona central e sul do país e que teve uma magnitude de 6,8 graus na escala aberta de Richter, segundo o Serviço Sismológico da Universidad de Chile.

Bombeiros inspecionam prédio em Santiago após fortes tremores
AP
Bombeiros inspecionam prédio em Santiago após fortes tremores

Pouco depois do tremor, registrado às 19h38 (horário local, 19h38 de Brasília) e com epicentro a 94 quilômetros a noroeste de Constitución, na região de Maule, o Escritório Nacional de Emergência (Onemi) deu ordem de evacuação preventiva de uma faixa de 500 quilômetros entre as localidades de Concón, na região de Valparaíso, e Lebu, na região de Biobío.

As autoridades aplicaram esta medida porque depois do tremor registrado em 27 de fevereiro de 2010 os protocolos de evacuação foram modificados, para torná-los mais cautelosos. O vice-presidente do país e ministro do Interior, Rodrigo Hinzpeter, informou que "há algumas pessoas feridas", mas especificou que as lesões "não são graves".

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) tinha informado que o tremor na zona central do Chile teve magnitude de 7,2 graus, por isso que a Onemi, ao se tratar de um superior a 7 na escala Richter, ordenou a evacuação preventiva no litoral.

No entanto, com os dados posteriores do Serviço Sismológico da Universidad de Chile, que cifravam o tremor em 6,4 graus Richter, e considerando, além disso, que o Serviço Hidrográfico e Oceanográfico da Armada descartou a possibilidade de um tsunami, o Escritório Nacional de Emergência voltou atrás.

Cerca de 7.000 pessoas foram evacuadas em Maule depois que o Governo decretou a evacuação "por razões preventivas". O tremor provocou queda de árvores e alguns fechamentos de lugares.

Os habitantes da região, que foram colocados a 30 metros sobre o nível do mar, já acenderam algumas fogueiras para passar a noite, à espera de que a situação se normalize e se descarte definitivamente algum perigo no litoral.

"Mantemos a evacuação preventiva até novo aviso. Devo esclarecer que até esta hora, as pessoas do litoral nos informa que não voltou a se observar um movimento do mar", assinalou o intendente de Maule, Rodrigo Galilea.

A autoridade regional disse que se avalia a situação "momento a momento" e que quando se tiver a segurança que não há movimentos vai pedir às pessoas que desçam.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.