Terremoto na Grécia deixa pelo menos dois mortos

Duas pessoas morreram e mais de 30 ficaram feridas após um forte tremor de 6,5 graus na escala Richter atingir o Peloponeso, sul da Grécia, neste domingo, informou o canal de televisão pública NET.

AFP |

En la misma aldea, una mujer octogenaria falleció de un paro cardiaco a raíz del temblor, afirmó la policía.

Um homem de 65 anos foi soterrado pelo telhado de sua casa, na aldeia de Kato Achaya, no departamento de Achaya, no noroeste do Peloponeso, área mais atingida pelo tremor - que foi sentido até em Atenas.

Na mesma aldeia, uma idosa teve uma parada cardíaca por causa do tremor e faleceu, afirmou a polícia.

Os serviços de saúde e de emergência dos departamentos de Achaia, em Elide, e da ilha de Leucade, no mar Jônico, informaram que pelo menos 37 pessoas ficaram feridas. A maioria sofreu fraturas.

O tremor, que foi sentido em todo o Peloponeso e em outras regiões do país, ocorreu a 205 km de Atenas às 15h25 locais (09h30 de Brasília) próximo da localidade de Andradida, em Elide, anunciou o Instituto Geodinâmico do Observatório de Atenas.

Devido à intensidade do tremor, foram registradas cenas de pânico em cidades e aldeias do Peloponeso, onde os habitantes saíram para as ruas, informou a imprensa grega.

Segundo funcionários do centro nacional de saúde Panagiotis Eftathiu, quatro pessoas foram hospitalizadas por fraturas provocadas após tentarem sair das casas pulando as janelas.

"O terremoto foi terrível, nunca havíamos sentido um tão forte apesar de estarmos acostumado a esse tipo de fenômeno, e durou muito tempo", declarou o prefeito de Pirgos, Georges Paraskevopulos, também ao NET.

O diretor de investigação do Observatório de Atenas, o sismólogo Greassimos Papadopulos, situou o epicentro 10 km de profundidade e disse que havia que "contar com uma atividade sísmica intensa nos próximos anos".

Já foram registradas várias réplicas do tremor, uma delas de 4,7 graus.

O ministério da Educação da Grécia anunciou a criação de uma equipe de engenheiros para controlar os colégios na área.

A Grécia é o país com maior atividade sísmica no país.

dk/ap-fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG