Terremoto na China deixou quase 15 mil mortos

O balanço oficial de mortos pelo forte terremoto da última segunda-feira na China aumentou a 14.866 nesta quarta-feira, segundo os últimos dados oficiais divulgados pela imprensa. A agência de notícias Xinhua também divulgou que quase 26 mil pessoas ainda estão soterradas e outras 14 mil desaparecidas apenas na província de Sichuan, local do epicentro do tremor.

Redação com agências internacionais |

AFP
AFP
Mãe chora enquanto corpo de filho é levado por equipes de resgate

O vice-governador de Sichuan, Li Chengyun, ofereceu hoje estas informações em entrevista coletiva após que fontes oficiais anunciarem que o número de mortos alcança o total de 14.866.

O saldo anterior calculava mais de 12 mil mortes. Uma previsão não oficial estima que as vítimas fatais possam ser mais de 19 mil. Agentes da região disseram que mais de 7,7 mil pessoas foram mortas na cidade de Yingxiu - número que corresponde a três quartos da população, de acordo com a Xinhua.

Destruição

Os relatos de destruição, no entanto, estão por todos os lados. Em outra cidade próxima ao epicentro, Mianzhu, pelo menos 4,8 mil pessoas estariam soterradas e vários deslizamentos de terras impedem o acesso ao local, segundo a Xinhua.

Em Dujiangyan, onde 900 estudantes foram soterrados pelos escombros da escola onde estavam no momento do terremoto e pelo menos 50 morreram, o correspondente da BBC, Michael Bristow, afirma que o cenário é de "caos organizado".

Segundo Bristow, sobreviventes ainda atônitos perambulam pelas ruas vestindo pijamas, enquanto a polícia tenta organizar o trânsito.

De acordo com o correspondente da BBC, diversos tremores secundários foram registrados após o terremoto, e as pessoas ainda estão com medo de voltar para suas casas.

Bristow afirma que muitos estão preparados para passar uma segunda noite ao relento, sob a forte chuva que cai na região.

No condado de Beichuan, 80% dos prédios foram destruídos.

Em Shifang, duas fábricas de químicos desmoronaram e mais de 2 mil pessoas ficaram presas nos escombros. Cerca de 80 toneladas de material corrosivo vazaram, 6 mil pessoas tiveram de ser evacuadas e, segundo a Xinhua, 600 pessoas morreram.

No centro de pesquisas e reprodução de ursos panda de Wolong, em Wechuan, ainda não há relatos sobre o estado dos funcionários e dos turistas que estavam no local no momento do terremoto.

Também foram registradas mortes fora da província de Sichuan. A agência de notícias chinesa afirma que pelo menos 300 pessoas morreram em Gansu, Shaanxi e Chongqing.

Clique na imagem e veja o infográfico sobre o terremoto na China

Ajuda

O terremoto de segunda-feira foi o pior a atingir a China nos últimos 30 anos. O tremor foi sentido até na capital, Pequim, e em países próximos, como a Tailândia.

No total, 50 mil soldados foram enviados para a região afetada, mas apenas uma pequena parte do contingente já chegou ao local.

O governo chinês disse que vai aceitar ajuda estrangeira. União Européia, Estados Unidos, Grã-Bretanha, Rússia, Japão, Coréia do Sul e Taiwan já ofereceram ajuda.

Em visita a cidades atingidas, o primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, disse que suprimentos precisam ser entregues rapidamente aos sobreviventes e que muitas crianças estão famintas.

No entanto, os planos de lançar suprimentos por meio de aviões foram cancelados devido ao mau tempo.


Equipes resgatam homem com vida na província de Sichuan  (Foto: AP)

De acordo com a Xinhua, Wen convocou uma reunião de emergência e ordenou a retirada das barreiras e a abertura das estradas de acesso às áreas mais afetadas.

O Ministério da Saúde lançou um apelo urgente por doações de sangue para os feridos.

O terremoto afetou também o revezamento da tocha olímpica, que está percorrendo todas as províncias chinesas até chegar a Pequim para a abertura dos Jogos Olímpicos, no dia 8 de agosto.

Os organizadores dos Jogos de Pequim informaram que o trajeto da tocha será encurtado e que, no início da próxima etapa, previsto para quarta-feira, na cidade de Ruijin, haverá um minuto de silêncio em memória às vítimas do terremoto.

(*Com informações da agência AFP, BBC e CNN)

Entenda melhor:

Veja também:

Leia mais sobre: terremoto  - China



    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG