Terremoto de Lorca é o mais grave da Espanha desde 1956

Tremor mais mortífero do país atingiu Granada em 1956, deixando 12 mortos e mais de 70 feridos

iG São Paulo |

O terremoto registrado nesta quarta-feira na cidade de Lorca, no sudeste da Espanha, é o mais grave a atingir o país nos últimos 50 anos.

O abalo sísmico que provocou o maior número de vítimas na Espanha desde a década de 1950 foi o registrado em 20 de abril de 1956. Esse tremor deixou ao menos 12 mortos, mais de 70 feridos e causou o desabamento de 500 edifícios em Granada.

O último terremoto com vítimas foi o de 28 de fevereiro de 1969, no litoral da também Província de Huelva, que atingiu 7,5 graus na escala Richter e deixou quatro mortos por ataques cardíacos.

Os dois terremotos desta quarta-feira na região de Múrcia, com epicentros localizados em Lorca, foram ocasionados por um "deslizamento horizontal da falha" dessa região, informaram fontes da unidade de registro sísmico da Universidade de Alicante.

Um dos responsáveis da unidade explicou que a falha de Lorca tem uma superfície de entre 40 e 50 quilômetros e está situada em "um nível praticamente superficial".

Na Espanha, são registrados cerca de 2,5 mil terremotos por ano, dos quais apenas dois, em média, são sentidos pela população por mês, segundo a rede sísmica do Instituto Geográfico Nacional.

Pânico em Lorca

Moradores de Lorca relataram que a situação é de "pânico", com milhares nas ruas sem saber o que fazer após terem sido surpreendidas pelos tremores. Um porta-voz da prefeitura informou que a sede da administração municipal foi esvaziada.

Segundo a vereadora de Segurança, María Belém Pérez, a situação é "extrema", sem precedentes. Moradores lotaram parques para ficar longe de edifícios. Segundo testemunhas, "as ruas do centro estão desertas, com automóveis vazios, muitos deles sepultados por escombros". O principal hospital da cidade teve de ser esvaziado.

"De repente, o chão começou a tremer, minha mãe chegou gritando para ficarmos embaixo dos portais", afirmou Emilio, da cidade de Múrcia, à televisão pública espanhola. "Todo o centro de Lorca foi atingido", acrescentou também à rádio pública o delegado do governo em Múrcia, Rafael González Tovar. Estou "morta de medo, isto é como um filme", declarou Virtudes, uma médica de Lorca, no site do El País. "Esperamos os abalos secundários", disse.

De acordo com o Ministério do Interior espanhol, o tremor mais forte, cujo epicentro foi na serra de Tercia, a 4 km de Lorca, foi sentido em vários povoados da região, como a capital Múrcia, Mazarrón, Cartagena e Águilas.

O terremoto também produziu danos na localidade de Totana, assim como na vizinha Província de Albacete, a mais de 200 km ao norte, e também nas cidades de Almería, Granada, Jaén, Málaga e Sevilla (Andaluzia, sul). O tremor chegou a ser sentido até na capital da Espanha, embora não tenham sido reportados danos.

O terremoto aconteceu às 18h47 local (13h47 de Brasília), apenas duas horas após um pequeno tremor de 4,5 graus de magnitude atingir o mesmo local, às 15H05 (10H05 de Brasília), segundo o serviço sismológico espanhol. De acordo com a Agência Geológica dos EUA, o abalo sísmico de 5,1 ocorreu a apenas 1 km de profundidade.

You need to upgrade your Flash Player

*Com EFE e AFP

    Leia tudo sobre: terremotoespanhalorcamúrciatremor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG