Terremoto de 7 graus na escala Richter sacode o norte do Japão

TÓQUIO - Um terremoto de 7 graus na escala Richter sacudiu na manhã deste sábado (ainda sexta-feira no Brasil) uma vasta região do norte japonês, informou a rede de TV local NHK. Pelo menos quatro pessoas morreram e mais de 150 ficaram feridas, segundo informações da Agência Nacional de Meteorologia japonesa.

Redação com agências internacionais |

AFP
Agência de Metereologia confirma terceira morte
Além disso, 14 pessoas - sendo três estrangeiras - estão desaparecidas, segundo a agência nacional de notícias "Kyodo".

O terremoto ocorreu às 8h43 no horário local (20h43 de Brasília), com seu epicentro a 8 quilômetros de profundidade, e foi sentido com intensidade em áreas das províncias de Iwate, Miyagi e Fukushima, na ilha japonesa de Honshu.

O tremor foi sentido com mais força na prefeitura de Iwate, cerca de 500 km a norte de Tóquio, e sacudiu prédios na capital (veja região atingida pelo tremor no mapa abaixo). Um tremor secundário foi sentido menos de uma hora depois na mesma região.



Exibir mapa ampliado


Imagens da televisão japonesa mostraram prédios balançando também em cidades do norte do Japão. Trens-bala foram imediatamente desligados por precaução.

A usina nuclear de Onagawa, na prefeitura de Miyagi, funcionava normalmente, mas um operador da Tohoku Electric checava o local em busca de possíveis danos causados pelo tremor, segundo a rede NHK.

O sismo teve uma profundidade de 10 km, segundo dados da agência, que não lançou alerta de tsunami.

O centro americano do Pacífico de alertas contra tsunamis advertiu que havia a possibilidade de tsunamis locais "que poderiam ser destrutivos num raio de 100 km do epicentro do terremoto".

"Estava dirigindo quando meu carro de repente começou a tremer. Vi postes e prédios sacudindo com violência. Nesse momento percebi que era um terremoto", contou um funcionário de gestão de desastres de Kurihara, cidade da prefeitura de Miyagi localizada perto do epicentro do tremor, citado pela NHK.

"Vi vidro quebrado e telhas caídas de telhados, mas não vi nenhum prédio ruir", afirmou.

Uma casa, no entanto, desabou na cidade de Ichinoseki, na prefeitura de Iwate, ferindo uma pessoa, segundo a rede de televisão pública.

Em outra parte de Iwate, as janelas de uma creche foram quebradas por causa do tremor e deixaram crianças e pelo menos uma professora ferida, ainda de acordo com informações da NHK.

Um oficial do corpo de bombeiros de Oshu disse que as autoridades estão recebendo chamadas de moradores atingidos por objetos que caíram durante o sismo.

Os primeiros sinais após o incidente, no entanto, não apontavam para um alto grau de destruição. Um helicóptero da rede NHK sobrevoou as áreas mais atingidas, onde o cenário de fazendas e casas parecia normal e o trânsito fluía com tranqüilidade.

Um novo sistema de alerta de terremotos foi acionado durante o sismo, enquanto a NHK anunciava o tremor momentos antes.

O Japão é alvo de 20% dos terremotos mais fortes do mundo. Ao longo do tempo, o país construiu uma infra-estrutura destinada a resistir a esses tremores.

Segundo a rede de TV local "NHK", por causa do abalo e por precaução, o funcionamento dos trens-bala que passam pela região foi suspenso. Além disso, as estradas de Miyagi foram fechadas.

O terremoto também foi sentido na região de Kanto, onde fica a capital Tóquio.

De acordo com a agência "Kyodo", o tremor não interferiu no funcionamento das usinas nucleares da vizinha província de Fukushima nem no do aeroporto de Sendai.

O mais grave terremoto do Japão nos últimos anos, de 7,3 graus e que ocorreu em Kobe, no oeste do país, em 17 de janeiro de 1995, deixou mais de 6.000 mortos.

(*Com informações das agências EFE e AFP)

Leia mais

Leia mais sobre: terremoto - Japão

    Leia tudo sobre: japãoterremoto

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG